icons.title signature.placeholder Gabriela Abrunheiro / Radar
12/11/2014
18:13

A doação de R$10 mil que os jogadores da Seleção Masculina de Futsal realizaram não foi suficiente para ajudar a Seleção Feminina a levantar os R$180 mil necessários para disputar o Campeonato Mundial, na Costa Rica, em dezembro. Na corrida contra o tempo, as atletas agora tentam conseguir ajuda com patrocinadores.

O prazo máximo dado pela Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS) para conseguir o dinheiro foi a próxima sexta-feira. Até a noite da última terça-feira, entretanto, as jogadoras tinham conseguido arrecadar apenas R$10.500 mil, pouco mais de 5% do valor total. Por isso, a necessidade de contar com empresas parceiras.

- Falamos com a Confederação e conseguimos um espaço na camiseta de jogo. Montamos então um plano de patrocínio e estamos atrás das empresas parceiras para nos ajudar - explica ao LANCE!NET, Vanessa Cristina, camisa 7 da Seleção Brasileira.

Três vezes eleita a melhor jogadora do Mundo de Futsal pela Fifa, a atleta enfatiza que este não é o papel das jogadoras, reclama da gestão da modalidade e fala de luta pela sobrevivência do esporte.

- Essa não é a nossa função, não tem ninguém específico para cuidar do futsal feminino. Esse é o nosso trabalho, o nosso ganha pão. Isso não é só para a gente. Não quero deixar a modalidade morrer, não quero deixar essa situação constrangedora e humilhante para a proxima geração - declara a atleta.

Ainda segundo Vanessa, num primeiro momento foi passado um valor de R$450 mil reais para a realização da viagem. A quantia de R$180 mil, entretanto, foi estabelecida com base nas informações passadas pelo Comitê Organizador da Costa Rica, que foi procurado pelas próprias atletas.

Essa não é a primeira vez que as meninas ficam de fora de um campeonato por inviabilidade financeira. No ano passado, elas deixaram de viajar para o Campeonato Sulamericano. De forma que o Mundial é a única competição oficial disputada pelas jogadoras.