icons.title signature.placeholder TÊNIS NEWS
02/02/2015
11:24

Novak Djokovic chegou em Melbourne ameaçado de perder o topo do ranking, mas além de escapar e manter o número 1, conseguiu ampliar a vantagem para quase dois Grand Slams de distância, ao todo 3,8 mil pontos para o segundo colocado, Roger Federer.

O sérvio somou 2 mil pontos descartando 360 das quartas do ano anterior saltando aos 13045 diante de 9245 do suíço que descartava 720 da semi e só somou 90 da terceira rodada.

Com sua 132ª semana no topo, Djokovic tem a ponta garantida até pelo menos meados de abril quando começa a temporada de saibro o que o deixa em posição boa para desbancar Rafael Nadal e suas 141 semanas na liderança.

Nole descarta 2180 até lá enquanto que Federer desconta 1280 e poderá somar até 2500, sendo impossibilitado de ultrapassá-lo.

Rafael Nadal manteve a terceira colocação, mas somou apenas 360 das quartas descartando 1200 ficando com 5745, 7,3 mil atrás do líder e 3,5 mil de desvantagem para Roger.

O novo quarto colocado é Andy Murray, vice-campeão na Austrália que somou 1200 e pulou aos 5515 ameaçando a posição do espanhol. É a primeira vez que o chamado Big 4 está junto nas quatro primeiras posições desde 27 de  maio de 2013.

Kei Nishikori se manteve em quinto seguido agora pelo canadense Milos Raonic que volta ao melhor posto no sexto lugar. 

Tomas Berdych é o sétimo seguido pelo croata Marin Cilic que foi beneficiado pela queda do campeão de 2014, Stan Wawrinka, que perdeu na semi este ano e caiu cinco posições. Fecha o top 10 o espanhol David Ferrer.

Quadrifinalista do torneio, Nick Kyrgios subiu 18 e é o 35º colocado, seu melhor desempenho.