icons.title signature.placeholder Gabriel Carneiro e Russel Dias
25/03/2014
12:02

Não é novidade para ninguém que tem acompanhado o Campeonato Paulista o bom momento que vive o ataque do Santos, responsável por marcar 39 gols em 15 partidas. No entanto, poucos se atentam a outro número importante na campanha que deixou a equipe em primeiro lugar geral na fase de grupos: o time de Oswaldo de Oliveira tem a quinta melhor defesa de todo o torneio até aqui.

Protegido por Aranha (e duas vezes por Vladimir, graças a uma suspensão e uma lesão do titular), o gol do Santos foi vazado 16 vezes, e apenas quatro times levaram menos gols: São Paulo e Osasco Audax (15), Palmeiras (13) e o surpreendente Ituano (apenas dez).

Apesar de exposta, já que os dois laterais gostam de avançar, a defesa santista tem conseguido lidar com a pressão de proteger um time com vocação ofensiva. Os números estão a favor, mas a ideia é não colocá-los como prioridade do time.

– É um time muito jovem e que gosta de jogar aberto. Sabemos como funciona e nós zagueiros queremos ser discretos. Quanto mais tranquilo, melhor – opinou Neto, que aproveitou a brecha das lesões de Edu Dracena e Gustavo Henrique para se firmar como titular.

Ex-jogador do Guarani e, portanto, velho conhecido da Ponte Preta, adversária do Peixe nas quartas de final, Neto marcou seu primeiro gol no último domingo, contra o Palmeiras. Na mesma partida, atingiu 12 jogos, igualando os números da temporada anterior, quando quase não teve chances.

– Tomamos gol do Palmeiras, mas sofremos pressão todo o segundo tempo. Levar gol só no fim é sinal que as coisas estão indo bem – opinou o defensor, em coletiva.

Em busca de equilíbrio para avançar mais, a defesa tem crédito com Oswaldo, que "não se importa em levar dois se marcar cinco".