icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
12/11/2013
12:54

O diretor executivo de marketing do Flamengo, Frederico Luz, justificou, em coletiva convocada pelo clube na manhã desta terça-feira, na Gávea, o preço dos ingressos para a final da Copa do Brasil, contra o Atlético-PR, ressaltando que esta é uma partida atípica e, por este motivo, o Rubro-Negro tem de aproveitar para arrecadar valor.

Além disso, o dirigente afirmou que o clube teve uma conversa com o consórcio que administra o Maracanã e com o Grupamento Especial de Policiamento em Estádio (Gepe) para saber a possibilidade de desafogar a torcida carioca caso todos os ingressos destinados ao Furacão não sejam vendidos.

Durante a entrevista coletiva, Frederico Luz fez ainda uma comparação com as médias de preço de outras partidas importantes da temporada, como o primeiro jogo do Estádio Mané Garrincha, em Brasília, a final da Libertadores e o jogo do Cruzeiro, no último domingo, que poderia garantir o título do Brasileiro.

- Não podemos tratar este jogo como o jogo contra o Goiás, nem como qualquer outro da Copa do Brasil ou do Brasileiro. Este é um jogo atípico. O Flamengo precisa ter a responsabilidade de criar e arrecadar esses valores. Na estreia no Brasileiro, que havia aquele movimento de abertura do estádio, o ticket médio foi de R$ 90, na final da Libertadores, entre o Atlético-MG e Olimpia, o ticket médio foi de R$ 250. Na partida entre Cruzeiro e Grêmio, em que o Cruzeiro podia ser campeão, foi de R$ 90. O nosso ticket médio para este jogo é de R$ 108 - disse o diretor, que completou:

- Não acredito que vá haver uma mudança radical de presença de torcida nos lugares atrás dos gols. Não estou lendo desta maneira. Até porque, os torcedores estão acostumados a isso. Todos os jogos decisivos que eles foram na vida, os ingressos foram mais caros. Até porque, os preços eram esses e foram pagos, mas na mão de cambistas. O Flamengo não recebeu nada. O que aconteceu com o Flamengo x Grêmio (jogo que decidiu o título Brasileiro de 2009)? Os ingressos acabaram rapidamente e foram revendidos por R$ 150,00, R$ 200,00, por aí.

Frederico Luz citou ainda a lei da oferta e da procura para a diferença de preço entre este jogo e os outros.

- Quem quiser ir de São Paulo para o Rio de Janeiro ou do Rio para São Paulo em uma sexta-feira, às 17h, terá de pagar uma passagem mais cara do que se viajar na terça-feira às 6h40. A pessoa que faz este trajeto sabe disso. E o nosso torcedor sabe disso, da importância deste jogo.

O clube estuda ainda a possibilidade de organizar um evento no Maracanã para o dia do jogo da ida, no próximo dia 20. A ideia é a de que os portões sejam abertos às 17h, tenham shows e uma partida de master, antes do início do primeiro confronto da final, que seria transmitido nos telões do estádio.