icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
08/07/2013
17:51

A diretoria do São Paulo ampliou o prazo até sexta-feira para a definição do novo treinador. Após a demissão do técnico Ney Franco, os dirigentes afirmam que pretendiam resolver as questões até terça, antes do jogo contra o Bahia, pelo Campeonato Brasileiro, mas estenderam o tempo para a contratação do comandante. 

- Nossa expectativa é, durante essa semana, ter um treinador, mas ainda estamos avaliando nomes, possibilidades, dentro dos vários parâmetros que a diretoria tem avaliado. A competência vários treinadores têm, mas há outras questões, principalmente nas questões financeiras. O São Paulo tem uma política e quer segui- - declarou o vice-presidente de futebol do clube, João Paulo de Jesus Lopes, nesta segunda-feira, no CT da Barra Funda.

- Há posturas contratuais que o São Paulo segue, que muitas vezes não são seguidas por outros clubes. O futuro treinador terá de se adaptar. Temos convicção de que essa semana deveremos anunciar um novo treinador, até quinta ou sexta feira - completou. 

Preferido pela torcida são-paulina, Muricy Ramalho esbarra em salários e questões políticas. Além de querer receber no mesmo patamar que vinha ganhando - R$ 700 mil no Santos -, gera resistência na diretoria. O vice Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, foi um dos que provocou a demissão do técnico no Morumbi em 2009, e, hoje, é um dos possíveis candidatos à sucessão de Juvenal Juvêncio e contrário ao retorno do treinador. Com isso, Paulo Autuori ganhou força.

Após a derrota para o Vasco, Autuori, descontente com a diretoria do clube e com as promessas não cumpridas pelos dirigentes, anunciou que fará reunião com a cúpula cruz-maltina, nesta segunda-feira, e abriu caminho para o São Paulo. Ao desembarcar no Rio de Janeiro, voltou a criticar o comando do time carioca. 

João Paulo ainda afirmou que não houve proposta a nenhum treinador, apenas avaliações, e que o novo técnico terá de se adaptar às questões do clube, como teto salarial. 

- Não temos um nome ainda em foco, estamos falando em avaliações. Não jantamos com nenhum técnico. Muitos nomes que vêm sendo veiculados são de altíssima qualidade, mas ainda é prematura a confirmação. Ainda não conversamos com nenhum. Fizemos sondagens indiretas, mas para entendimento, não tem nada definido - completou.

A diretoria do São Paulo ampliou o prazo até sexta-feira para a definição do novo treinador. Após a demissão do técnico Ney Franco, os dirigentes afirmam que pretendiam resolver as questões até terça, antes do jogo contra o Bahia, pelo Campeonato Brasileiro, mas estenderam o tempo para a contratação do comandante. 

- Nossa expectativa é, durante essa semana, ter um treinador, mas ainda estamos avaliando nomes, possibilidades, dentro dos vários parâmetros que a diretoria tem avaliado. A competência vários treinadores têm, mas há outras questões, principalmente nas questões financeiras. O São Paulo tem uma política e quer segui- - declarou o vice-presidente de futebol do clube, João Paulo de Jesus Lopes, nesta segunda-feira, no CT da Barra Funda.

- Há posturas contratuais que o São Paulo segue, que muitas vezes não são seguidas por outros clubes. O futuro treinador terá de se adaptar. Temos convicção de que essa semana deveremos anunciar um novo treinador, até quinta ou sexta feira - completou. 

Preferido pela torcida são-paulina, Muricy Ramalho esbarra em salários e questões políticas. Além de querer receber no mesmo patamar que vinha ganhando - R$ 700 mil no Santos -, gera resistência na diretoria. O vice Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, foi um dos que provocou a demissão do técnico no Morumbi em 2009, e, hoje, é um dos possíveis candidatos à sucessão de Juvenal Juvêncio e contrário ao retorno do treinador. Com isso, Paulo Autuori ganhou força.

Após a derrota para o Vasco, Autuori, descontente com a diretoria do clube e com as promessas não cumpridas pelos dirigentes, anunciou que fará reunião com a cúpula cruz-maltina, nesta segunda-feira, e abriu caminho para o São Paulo. Ao desembarcar no Rio de Janeiro, voltou a criticar o comando do time carioca. 

João Paulo ainda afirmou que não houve proposta a nenhum treinador, apenas avaliações, e que o novo técnico terá de se adaptar às questões do clube, como teto salarial. 

- Não temos um nome ainda em foco, estamos falando em avaliações. Não jantamos com nenhum técnico. Muitos nomes que vêm sendo veiculados são de altíssima qualidade, mas ainda é prematura a confirmação. Ainda não conversamos com nenhum. Fizemos sondagens indiretas, mas para entendimento, não tem nada definido - completou.