icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
22/12/2013
10:32

Eles foram contratados para tornar o Internacional ainda mais forte na sequência da temporada. Só que a dupla Alex e Scocco deixou a desejar, terminou 2013 na reserva e não foi o diferencial esperado para o Colorado. O segredo para que ambos possam dar a resposta esperada no ano que vem? Paciência.

- Temos de ter paciência com esses jogadores. O Scocco, por exemplo, atuava em um calendário diferente do nosso, que é o argentino, foi um jogador que teve uma ótima temporada, sendo o destaque da Libertadores. E ele chegou após o fim da temporada, não teve férias e, mesmo assim, chegou bem e fez boas partidas, como o Gre-Nal, diante do Botafogo (quando marcou dois gols) e Ponte Preta. Aí ele teve uma lesão e teve dificuldade para readquirir o ritmo de jogo ideal - disse Marcelo Medeiros, vice de futebol colorado, ao LANCE!Net.

A decepção com Scocco foi maior. Ele foi contratado por R$ 14,5 milhões após se destacar pelo argentino Newell’s Old Boys, sendo o artilheiro do Campeonato Argentino e um dos maiores goleadores da Libertadores. Foram 21 jogos e apenas quatro gols. O jogador destacou não ter se sentido bem em seus primeiros meses de Inter e falou em um retorno à Argentina. E a diretoria colorada entende Scocco.

- Por mais que a Argentina seja próxima, a questão da adaptação é complicada. Ele é mais reservado, está se adaptando ainda. O Scocco tinha a condição de ídolo na Argentina e teve de ir para a reserva no Inter. Não é fácil assim - completou Medeiros ao falar do argentino.

Alex, por sua vez, voltou ao Internacional após quatro anos com a expectativa de ser o companheiro de D'Alessandro no setor criativo. Só que o desempenho do camisa 12 não foi como o esperado. Fez 20 jogos, sendo dez como titular, e marcou um gol. O fato de estar atuando no Al-Gharafa, do Qatar, foi um dificultador para a sua readaptação ao futebol brasileiro. Esse é o diagnóstico colorado.

- O Alex tem uma identificação muito grande com o Internacional e é um jogador que pode fazer várias funções: atuar ao lado do D'Alessandro na armação, auxiliar na parte defensiva, ser um segundo atacante. Mas ele estava em um cenário diferente lá no Qatar. Existe todo um sistema de treinamento diferente e, com isso, o processo de revitalização física é mais demorado. Na próxima temporada será tudo diferente. Acreditamos nisso.

Diretoria, torcida e os próprios Alex e Scocco esperam por um 2014 melhor.