icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
17/11/2014
09:22

Em entrevista à emissora BBC, David Bernstein, ex-diretor da Federação Inglesa de Futebol (FA), sugeriu um boicote às Copas do Mundo de 2018 e 2022, organizadas por Rússia e Qatar, respectivamente. Na última quinta-feira, a Fifa apresentou um dossiê, eximindo os dois países de denúncias envolvendo corrupção e compra de votos nas candidaturas.

- Se estivesse agora na federação, faria tudo o que pudesse para encorajar outros países na Uefa. Alguns, certamente, estariam do nosso lado, outros, talvez não tomassem esta atitude. É preciso parar de falar e agir - disse.

E MAIS

HOME: Veja as últimas notícias do futebol internacional
'Coleguismo' entre Espanha e Chelsea na questão Diego Costa

Segundo o cartola, um Mundial não seria realizado sem a presença das grandes potências europeias. Ele não vê outra solução além de uma atitude drástica.

- Sinceramente, esta situação se arrasta há anos, não melhora e está a ir de mal a pior. Alemanha, Espanha, Itália, França e Holanda são todos poderosos. Não se pode realizar um Mundial sério sem eles. Eles têm o poder para influenciar a questão se tiverem atitude.

Para Bernstein, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, se utiliza de uma agenda autoritária para se perpetuar no poder.

- É uma pessoa muito astuta e inteligente. A FIFA é faz-me lembrar um regime totalitário do estilo da União Soviética - definiu.