icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
25/02/2015
17:22

Embora o problema do doping no MMA venha sendo tratado pela maioria dos envolvidos como um assunto sério, tem gente que prefere não se deixar levar pelos últimos incidentes que envolveram grandes nomes do esporte. É o caso de Andy Foster, diretor da Comissão Atlética da Califórnia. O americano, além de discordar que o problema alcance a maioria dos lutadores do esporte, disse que enxerga outra situação mais preocupante do que a guerra contra o doping em si: o corte de peso realizado pelos atletas.

Segundo Foster, a guerra dos atletas contra a balança sempre antes de seus compromissos nos ringues ou octógonos do mundo merece atenção e ser resolvido.

- Algo que não é muito falado, mas que é feito por muito mais pessoas do que usar drogas para melhora de performance é o drástico corte de peso que você vê. É uma exibição a cada pesagem onde você vê um lutador subir na balança, mal podendo andar porque eles cortaram muito peso, e o treinador vai estar lá segurando uma garrafa de Pedialyte ou Gatorade. E isso é problemático. É perigoso e não é no MMA específico. Isso acontece no boxe, e isso acontece em kickboxing . Está impregnado em nosso esporte - declarou o profissional.

O corte de peso já foi assunto polêmico no mundo do MMA. Em 2013, o lutador Leandro Feijão faleceu após problemas de saúde durante o corte de peso para sua luta no Shooto Brasil 43. Quase um ano depois, em agosto de 2014, Renan Barão desmaiou durante o processo de corte de peso e abandonou sua disputa de cinturão contra TJ Dillashaw na véspera devido a complicações físicas.