icons.title signature.placeholder Alexandre Araújo
05/07/2014
09:11

“Foi cometida uma série de irregularidades. Várias pessoas sem condição de voto participaram da eleição.” O problema pode parecer atual, mas a frase foi dita em novembro de 2006, pelo então candidato Roberto Dinamite, que contestava a vitória do, à época desafeto, Eurico Miranda, no pleito daquele ano. Oito anos e duas eleições depois, o mesmo Dinamite repete ações do ex-mandatário, por quem já foi expulso de São Januário, e faz com que membros da oposição recorram à Justiça para que a eleição seja realizada sem polêmicas.

E os bastidores da Colina já estão agitados. Uma liminar conseguida na Justiça pela chapa Vira Vasco, na noite da última quinta-feira, pode fazer com que a eleição seja adiada. Isso porque a ordem judicial, concedida pelo desembargador Camilo Ribeiro Ruliere, exige que o Cruz-Maltino entregue a listagem completa de sócios elegíveis e eleitores, incluindo nome completo, matrícula no clube, data de ingresso, endereço residencial, contatos telefônicos e endereço eletrônico até a noite de hoje (uma vez que foram dadas 48 horas para tal). Há ainda uma pena de R$ 10 mil para cada hora em que a ordem seja descumprida.

– Ter de entrar na Justiça para conseguir essa lista é algo muito triste e chega a ser paradoxal. Dinamite, anos atrás, também teve de fazer isso para conseguir a lista. Isso é lamentável. Quem vai vencer, não importa, mas tem de ser de forma limpa. Democracia é isso – disse Rogério Peres Fernandes, advogado da Vira Vasco.

Ao longo dos últimos anos, ações de Roberto Dinamite foram mostrando que a relação com Eurico Miranda pode ir além de simples alianças e apoio mútuo em reuniões do Conselho Deliberativo. Ídolo dos gramados, fora dele foi acusado por opositores de tomar afeição àquele que já esteve em lado oposto. Mais uma vez, a eleição extrapola os limites de São Januário e chega aos martelos da Justiça.