icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
09/03/2014
15:51

A presidente Dilma Rousseff se manifestou, neste domingo, sobre as ofensas racistas sofridas pelo árbitro Márcio Chagas da Silva e pelo jogador Arouca na última semana. A chefe de Estado afirmou que “o futebol brasileiro foi manchado”, lembrando da grande quantidade de negros que vivem no Brasil e prestando solidariedade ao juiz, ao volante e a todos os dmaeis brasileiros vítimas de discriminação racial.

“O futebol brasileiro foi manchado pelas cenas de racismo contra o árbitro Márcio Chagas da Silva e o jogador Arouca. Márcio e Arouca tem toda a minha solidariedade, assim como de todos os brasileiros. É inadmissível que o Brasil, a maior nação negra fora da África, conviva com cenas de racismo”, escreveu Dilma em seu perfil no Twitter.

A presidente também aproveitou para destacar que não haverá brechas para o racismo e qualquer outro tipo de violência durante a Copa do Mundo do Brasil, que acontecerá nos meses de junho e julho deste ano. Segundo Dilma, já há um acordo entre o País, a Organizações das Nações Unidas (ONU) e a Federação Internacional de Futebol (Fifa) para lutar contra a discriminação racial no Mundial.

“Vamos enfrentar o racismo! Acertei com a ONU e a Fifa que a nossa #CopaDasCopas, também será a #Copa pela Paz e a #CopaContraORacismo. Estou convidando líderes religiosos do mundo a enviarem manifestações contra o racismo e pela paz, para serem lidas durante a #CopaDasCopas”, acrescentou a chefe de Estado na rede social.

Na última quarta-feira, o árbitro Márcio Chagas da Silva, que apitava o jogo entre Esportivo e Veranópolis, pelo Campeonato Gaúcho, ouviu insultos racistas de parte da torcida presente no estádio, além de encontrar seu carro riscado e com bananas na capô. No dia seguinte, o volante Arouca, logo após o duelo entre Santos e Mogi Mirim, pelo Paulistão, foi chamado de “macaco” por alguns torcedores próximos ao alambrado.