icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/03/2014
17:38

A morte do operador Fábio Hamilton da Cruz na tarde deste sábado, enquanto trabalhava em uma das arquibancadas provisórias da Arena Corinthians, foi a 10ª nas obras dos novos estádios do Brasil. O destaque negativo fica por conta das cidades de São Paulo e Manaus, com quatro casos cada uma.

A maioria dos casos ocorreu nos palcos que serão utilizados na Copa do Mundo. Apenas dois operários perderam a vida em estádios que estão fora do Mundial. São eles: Carlos de Jesus, de 34 anos, após acidente com uma viga na Allianz Parque, do Palmeiras, e Araci da Silva Bernardes, de 40 anos, que morreu nas obras da Arena do Grêmio, em Porto Alegre.

Por meio de seu perfil no Twitter, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, lamentou a morte do operário no estádio corintiano.

- Muito triste com a morte trágica do operário hoje na Arena de São Paulo. Meus sentimentos à família e aos amigos - escreveu o dirigente, que está no Brasil para acompanhar o andamento das obras.

VEJA ABAIXO AS VÍTIMAS FATAIS DAS OBRAS DOS NOVOS ESTÁDIOS DO BRASIL:

Arena Amazonas, em Manaus:
Raimundo Nonato Lima Costa, de 49 anos, operário;
Marcleudo de Melo Ferreira, 22 anos, operário;
José Antônio da Silva Nascimento, de 49 anos, operário;
Antônio José Pita Martins, 55 anos, operador;

Arena Corinthians, em São Paulo:
Fábio Luiz Pereira, operador de guindaste, de 42 anos;
Ronaldo Oliveira dos Santos, montador, de 44 anos;
Fábio Hamilton da Cruz, operador, sem idade revelada

Arena Mané Garrincha, em Brasília:
José Afonso de Oliveira Rodrigues, 21 anos, ajudante de carpinteiro;

Allianz Parque, em São Paulo:
Carlos de Jesus, de 34 anos, operário;

Arena do Grêmio, em Porto Alegre:
Araci da Silva Bernardes, de 40 anos, operário;