icons.title signature.placeholder Caio Carrieri e Thiago Ferri
icons.title signature.placeholder Caio Carrieri e Thiago Ferri
20/07/2013
07:07

Com 43 jogadores, diretoria e comissão técnica do Palmeiras não escondem o desejo de diminuir o elenco. Para isso, Gilson Kleina quer emprestar todos os jovens encostados, dar a eles mais experiência e, consequentemente, desinchar o grupo.

Nessa semana, o Oeste já levou o atacante Emerson e o volante João Denoni. O time de Itápolis está analisando agora outros dois garotos: o zagueiro Luiz Gustavo e o meia Diego Souza, além de Weldinho, na mira também do Sporting (POR). Entram também na lista de 'encostados negociáveis': Wellington, que esteve próximo da Ponte Preta, Marcos Vinícius, Bruno Dybal e Edilson, com proposta do Boca Unidos, da segunda divisão argentina.

- Não deixamos de observar ou dar treino a ninguém. É a mesma dinâmica para todos. Mas você não consegue colocar 40 jogadores em campo e atingir o mesmo objetivo. Aí você subdivide, faz trabalho em dois campos. Jamais darei ênfase a só um grupo. Há momentos próximos das partidas em que temos que definir estratégia e posicionamento e todos entendem - explicou o técnico.

Essa sexta foi um dos dias para 'definir estratégias'. O elenco alviverde teve que ser dividido: os que não foram relacionados treinaram às 9h, enquanto aqueles que viajaram para Florianópolis começaram a trabalhar às 10h30. Além do já grande grupo, o treino de ontem contou com a delegação do Cruzeiro, que pega o São Paulo, no Morumbi. Caso todos estivessem trabalhando, seriam mais de 60 pessoas entre os três campos do CT.

- Não abrimos mão de jogos-treino e os que não estão sendo utilizados têm a minha observação direta. Achamos uma forma para deixar todos motivados. Satisfeitos nem todos estão, mas estão entendendo a situação. Paralelamente negociamos os empréstimos para os garotos pegarem uma maturiadade, experiência maior, pois eles precisam jogar pela qualidade que têm - analisou.

Com 43 jogadores, diretoria e comissão técnica do Palmeiras não escondem o desejo de diminuir o elenco. Para isso, Gilson Kleina quer emprestar todos os jovens encostados, dar a eles mais experiência e, consequentemente, desinchar o grupo.

Nessa semana, o Oeste já levou o atacante Emerson e o volante João Denoni. O time de Itápolis está analisando agora outros dois garotos: o zagueiro Luiz Gustavo e o meia Diego Souza, além de Weldinho, na mira também do Sporting (POR). Entram também na lista de 'encostados negociáveis': Wellington, que esteve próximo da Ponte Preta, Marcos Vinícius, Bruno Dybal e Edilson, com proposta do Boca Unidos, da segunda divisão argentina.

- Não deixamos de observar ou dar treino a ninguém. É a mesma dinâmica para todos. Mas você não consegue colocar 40 jogadores em campo e atingir o mesmo objetivo. Aí você subdivide, faz trabalho em dois campos. Jamais darei ênfase a só um grupo. Há momentos próximos das partidas em que temos que definir estratégia e posicionamento e todos entendem - explicou o técnico.

Essa sexta foi um dos dias para 'definir estratégias'. O elenco alviverde teve que ser dividido: os que não foram relacionados treinaram às 9h, enquanto aqueles que viajaram para Florianópolis começaram a trabalhar às 10h30. Além do já grande grupo, o treino de ontem contou com a delegação do Cruzeiro, que pega o São Paulo, no Morumbi. Caso todos estivessem trabalhando, seriam mais de 60 pessoas entre os três campos do CT.

- Não abrimos mão de jogos-treino e os que não estão sendo utilizados têm a minha observação direta. Achamos uma forma para deixar todos motivados. Satisfeitos nem todos estão, mas estão entendendo a situação. Paralelamente negociamos os empréstimos para os garotos pegarem uma maturiadade, experiência maior, pois eles precisam jogar pela qualidade que têm - analisou.