icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
11/11/2014
17:08

O Vôlei Master 2014, disputado no Centro de Desenvolvimento do Voleibol (CDV), em Saquarema, no Rio de Janeiro, até o próximo domingo, tem entre seus inúmeros participantes um campeão da Liga Mundial. Como um dos tantos desconhecidos, Tomaz Aldazabal caminha pelos acessos aos ginásios na 'casa do vôlei brasileiro' sem ser percebido. Muitos até trombam com o desconhecido de 1,95m sem saber que o atleta de 38 anos fez parte da seleção cubana campeã da Liga Mundial em 1998, e foi um dos grandes opostos da ilha caribenha.

Aldazabal começou a jogar em 1989 e quatro anos depois já estava servindo a seleção de Cuba, onde ficou até 2007, data da sua última passagem.

O cubano está no Brasil há dois anos. Veio de Portugal com o sonho de jogar em um time de ponta, mas teve frustrado os planos devido um rompimento de tendão patelar. A recuperação adiou o sonho, chegou desanimar Aldazabal, que encontrou no Vôlei Master o incentivo ao retorno ás quadras.

- Me chamaram para brincar um dia, e nunca havia saltado em quadra de cimento. Me empolguei e tive um rompimento. Pensei em parar, desistir de vez, mas fui convidado a integrar uma equipe master da minha cidade e voltei a treinar – disse o jogador.

Tomaz tem 38 anos e seu desembarque ao Brasil foi motivado pela possibilidade de jogar a Superliga 2012/2013. Agora, ele admite até jogar a Superliga B para conseguir uma equipe.

- Aceitaria um convite para a (Superliga) B. Saí do Espinho (equipe portuguesa) para atuar no Brasil, mas não consegui ainda jogar aqui – afirmou o cubano.

O cubano ainda aguarda liberação da Polícia Federal para ter o visto de permanência no Brasil. Enquanto isso, aproveita a estrutura da AABB de Palmas para manter o condicionamento físico. Ele se espelha em outros atletas veteranos que estão na Superliga.

- Vejo Ricardinho, Marcelinho e outros tantos jogando, e penso que ainda tenho fôlego para jogar e jogar bem – revelou Tomaz.