icons.title signature.placeholder Michel Castellar
29/06/2014
12:32

O técnico da França, Didier Deschamps, acha que já é hora de parar com o disse-me-disse, por das partidas marcadas às 13 horas e pelo fato de não poder treinar no gramado do Estádio Mané Garrincha. Na segunda-feira, a seleção francesa enfrentará a Nigéria neste horário, pelas oitavas de final da Copa do Mundo,e, por isso, ele destacou que a palavra de ordem é adaptação.

Deschamps considerou que o calor poderá interferir no ritmo da partida, principalmente, porque ela pode terminar somente na disputa por pênaltis. Mas destacou que há atletas atuantes no Campeonato Inglês já habituados a jogarem nesse horário.

- Nos três últimos dias tentamos nos adaptar a esse horário. É verdade que a temperatura é alta, é verdade que os nigerianos estão mais habituados ao calor mas também existem jogadores que estão acostumados a jogar na Europa. Mas a preocupação é a umidade que, aparentemente, não está muito elevada. Então, vamos nos controlar. Estamos preparados - afirmou o técnico da França.

Sobre a proibição de treinar no gramado do Mané Garrincha, para que ele seja poupado, Deschamps fez pouco caso. Disse que não adianta fazer um cavalo de batalhas porque não pode fazer o reconhecimento, até porque, ele não vê muita utilidade em estar no local na véspera do jogo.

- Não preciso fazer um treinamento com jogadas ensaiadas. Para que treinar no campo? Temos de nos adaptar. A organização tem de poupar a grama. Então, a palavra de ordem é adaptação e nos adaptaremos com um sorriso - ressaltou Deschamps.

Sobre a Nigéria, o técnico da França analisou que os adversários são fortes na defesa e fisicamente. Por isso, ele quer que seus jogadores tenham a maior posse de bola para que possam impor o ritmo de jogo.

Ao ser indagado sobre um provável encontro com o Brasil na semfinal da Copa, Deschamps fugiu da questão. Frisou que seu pensamento, no momento, está no jogo com a Nigéria, porque de nada adianta pensar adiante se, amanhã, for derrotado.