icons.title signature.placeholder Thiago Ferri
04/07/2014
08:12

Quando Palmeiras e WTorre tiveram o projeto de reforma do Palestra Itália aprovado pelo Conselho Deliberativo do clube, em 2008, a previsão era de que a obra se encerrasse no fim de 2010. Depois de alterações de data, a mais recente previsão era de término em junho. Outra vez, o cronograma não se cumpriu. Com 92% de obra completada, a arena, finalmente, começará a ter seu campo.

A expectativa era de colocar o gramado há cinco meses, mas houve um atraso na liberação das máquinas que farão a iluminação artificial da grama, na alfândega. Estas, importantes especialmente para não deixar "morrer" a grama nos setores com sombra do estádio, chegaram ao estádio apenas na segunda. Agora, resta sair o campo do Rio Grande do Sul, onde está sendo cultivado, aparado, para, enfim, ser instalado na Arena.

A parte de detalhes já está sendo feita (instalação de cadeiras na arquibancada inferior, testes de telão, refletores, processo de instalação de antenas de telefonia). A previsão agora é de que o estádio seja inaugurado em agosto, mês do centenário.

É esta a data que trabalha a AEG, que irá operar o Allianz Parque durante os 30 anos de contrato com a WTorre (20 anos já decididos, com opção de renovação por outros dez). A empresa tem sofrido durante a Copa do Mundo para organizar eventos, já que há uma lentidão nos processos junto ao governo, como as retiradas de alvarás. Ainda assim, desde o começo do ano há ao menos seis datas reservadas para eventos em 2014.

Ainda sem especificar o dia que o estádio estará finalizado, a programação do local não teve suas etapas divulgadas. Sabe-se que serão feitos eventos-teste, e uma semana especial de abertura da Arena. A falta de uma data exata para inauguração, porém, não deixa que a empresa consiga ir atrás, formalmente, do time que fará o primeiro jogo com o Palmeiras, e das bandas que farão os primeiros shows, por exemplo.

Decidida de que "só futebol não pagará o investimento" feito, a AEG não descarta até iniciar eventos de convenções, em restaurantes, antes de estrear o campo. A previsão da empresa é de que, em dois anos, consiga abrir o estádio em 360 dias no ano, contando eventos além do futebol.

Em meio a isto, Palmeiras e WTorre vivem em situação ruim, brigando na arbitragem pela divisão no número de cadeiras do estádio. O impasse agora transcorre de forma sigilosa (uma das características da corte arbitral), e pode durar até dois anos. Desde que Walter Torre escancarou seu incômodo com Paulo Nobre, em entrevista ao LANCE!Net, o contato entre as partes tem sido pequeno. O estádio, com custo de R$ 630 milhões, terá lugares para 43.700 pessoas.

Um dos telões, já instalado. O outro, aguarda o término da cobertura para ser totalmente colocado (Foto: Divulgação)

OS ATRASOS

Primeira data
A previsão inicial era de que o estádio ficasse pronto em 15 de dezembro de 2010. Presidente à época, Affonso Della Mônica queria ter jogos desta Copa.

Demora por alvará
A demora no trâmite burocrático do estádio inviabilizou de se cumprir a primeira data. A Prefeitura de São Paulo deu o alvará para reforma só no fim de 2010. O estádio fechou naquele ano.

Até agora, nada
Com o alvará, o prazo foi para outubro de 2012. Novo atraso: abril de 2013. À época, Walter Torre, presidente da construtora, até tuitou: "Se mudar, só para antecipar. Nunca atrasamos nossas obras". Depois, bateram na tecla de entregariam até o fim do primeiro semestre. A espera segue.

RELEMBRE

'Palmeirense pode não ter a arena em 2014'

Em entrevista exclusiva ao L!Net, o presidente Paulo Nobre afirmou que não pode garantir que o Allianz Parque será inaugurado na sua gestão, que termina em dezembro. "Seria triste. Mas não tenho essa vaidade. O que importa é o estádio ficar bem feito", disse o dirigente. Mais recentemente, o diretor-executivo José Carlos Brunoro falou em ter o estádio em setembro, e a WTorre mantém a posição de que entregará a Arena em 2014.