icons.title signature.placeholder Bruno Grossi
16/07/2014
10:30

O São Paulo já definiu qual será o próximo passo do processo de internacionalização da marca do clube. Depois de firmar parcerias com o Shandong Luneng, da China, o Orlando City e a cidade de Detroit, nos Estados Unidos, o Tricolor agora esta à procura de um parceiro também no futebol da Europa.

- A relação com o Shandong é boa, com intercâmbio de informações para as categorias de base. Com o Orlando City tivemos o amistoso e a chegada do Kaká, enquanto com Detroit temos uma boa perspectiva de ações. Depois de chegar na Ásia e na América do Norte, nosso foco é a Europa. Estamos estudando e analisando qual time se encaixa nas nossa filosofias - afirmou Gabriel Aidar Abouchar, diretor de relações internacionais do São Paulo.

A integração do Tricolor com a China já existia com escolhinha de futebol do clube na cidade de Macau. Na última terça-feira, foi oficializada parceria com o Shandong Luneng para a implantação da metodologia de trabalho do CFA Laudo Natel, em Cotia, em centro de treinamento inaugurado pelos chineses na cidade de Porto Feliz.

Já nos Estados Unidos, a atuação são-paulina deve ser ainda mais ampla. Em junho, o clube passou duas semanas treinando em Orlando em excursão promovida pela empresa 2SV Sports, que cuida do desenvolvimento de jovens atletas em solo americano. Na mesma viagem, os tricolores enfrentaram o Orlando City em amistoso e conseguiram selar o empréstimo de Kaká até o final deste ano.

A ação mais inovado, no entanto, ainda está por vir. Durante a Copa do Mundo, a seleção dos Estados Unidos utilizou as dependências do CT da Barra Funda e aproximou a diretoria do São Paulo do prefeito de Detroit. O político e seu irmão contaram com o apoio do português Francisco Marcos para convencer o time do Morumbi a investir em parceria na cidade. O acordo, porém, pode avançar de parceria para que o Tricolor seja sócio ou proprietário de franquia nos EUA.