icons.title signature.placeholder Caio Carrieri e Fellipe Lucena
18/04/2014
08:00

Uma reunião entre a diretoria do Palmeiras e os representantes de Alan Kardec, na quarta-feira, terminou sem acerto pela renovação, mas com novas concessões do artilheiro. A demora e principalmente as diversas exigências que o clube tem feito para elaborar um novo contrato em seu modelo de produtividade têm irritado o estafe do goleador cada vez mais.

O diretor-executivo José Carlos Brunoro e o gerente Omar Feitosa representaram o Palmeiras. O artilheiro aguardava para ontem a resposta positiva do presidente Paulo Nobre, que estava em viagem ao Rio. O estafe fez novo contato com a diretoria e decepcionou-se, sem acordo.

Segundo pessoas envolvidas na negociação, Kardec já baixou três vezes a pedida salarial porque quer permanecer no Palestra Itália, mas não aceitará reduzir ainda mais os valores. Após um contato “negativo” nessa quinta, o atleta segue à espera.

Também de acordo com quem acompanha as tratativas, é pequena a diferença entre o que o centroavante pretende e o que o Verdão está disposto a desembolsar. Porém, outras cláusulas contratuais além dos vencimentos precisam ser acertadas.

Agonia maior é a de Gilson Kleina, que tem o camisa 14 como única opção para a posição de centroavante. Perdê-lo em 30 de junho, quando termina o empréstimo do Benfica (POR), não seria só um duro golpe nas pretensões da equipe para o Campeonato Brasileiro, como também tornaria mais difícil que um histórico tabu fosse quebrado: o clube jamais teve o goleador do torneio.

Com Leandro em má fase – fez apenas dois gols na temporada –, Alan Kardec é praticamente o único candidato ao posto no grupo alviverde. E ele chega embalado: no Paulistão, marcou nove gols e conseguiu a primeira artilharia da carreira – dividiu a glória com Léo Costa (Rio Claro), Luis Fabiano e Cícero.

A diretoria alviverde concluiu dois dos três passos fundamentais das tratativas com o atacante: encaminhou a forma de pagamento dos 4 milhões de euros (cerca de R$ 12,5 milhões) com o Benfica e definiu com o camisa 14 que novo vínculo seria por cinco temporadas, até o fim de 2019. A única coisa que precisa ser solucionada é o salário, e Kardec aceita ganhar por produtividade.