icons.title signature.placeholder Ivo Felipe
18/12/2013
09:13

Apesar de as próprias jogadoras da Seleção Brasileira admitirem a rígida marcação imposta sobre os adversários, o que faz com que o time seja o pior em fair play no Mundial de Handebol da Sérvia, de acordo com as estatísticas da Federação Internacional de Handebol (IHF, em inglês), a pivô Dani Piedade vê um certo exagero nas marcações da arbitragem neste Mundial.

De acordo com ela, diversas punições sofridas pelo Brasil ao longo da disputa foram fruto da maior severidade dos juízes em relação às outras competições que já foram disputadas nesta temporada.

– A arbitragem está muito severa. Sempre quando há um Mundial, eles vêm com umas ideias novas que não dá para entender. No outro Mundial, havia a palhaçada da falta de ataque... Você não consegue jogar. O handebol é cada vez mais rápido e agressivo, mas aqui acho que estão muito severos – disse.

A jogadora do Krim Ljubljana, da Eslovênia, vê pelo menos um lado positivo da forma com que os árbitros têm lidado com as punições.

– Não acho que a culpa seja nossa, pois eles estão sendo muito severos. Mas, pelo menos, eles estão aplicando a regra para todo mundo no Mundial – completou Dani.

A Seleção Brasileira entra em quadra nesta quarta-feira para tentar se classificar às semifinais do Mundial. Na Arena Belgrado, às 14h30 (de Brasília), o time dirigido por Morten Soubak enfrentará a Hungria.