icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
22/08/2015
19:02

Luta e suor é o que não faltará em Madureira no próximo dia 30. Em parceria com o Combate e com o ex-campeão do UFC Rodrigo Minotauro, a Cufa (Central Única das Favelas) vai organizar um grande festival de lutas das favelas. O evento acontecerá sob o viaduto Negrão de Lima, em Madureira, de 13h às 23h, e contará com apresentações de capoeira e caratê, competições amadoras de boxe, jiu-jitsu e muay thai, e disputas profissionais de MMA. A entrada é gratuita até 19h.

Em visita à Cufa, Minotauro demonstrou muita empolgação com o novo projeto e acenou com a possibilidade de trilhar um caminho mais ativo na área social quando encerrar sua carreira profissional de lutador.

- Quando conheci o Celso (Athayde) e tudo o que ele fez através da Cufa, fiquei muito impressionado. A quantidade de jovens que são atendidos pelos projetos deles é incrível. Ele me disse que tinha vontade de fazer um festival de lutas nas favelas e eu na mesma hora disse que gostaria de estar com ele nessa. Quem conhece minha história sabe que sempre prezei por ajudar ao próximo, eu e o Rogério (Minotouro) temos o Instituto Irmãos Nogueira, que já auxilia milhares de jovens de comunidades. É uma coisa que quero entrar fundo quando encerrar minha carreira. Tenho certeza que o festival vai ser um grande sucesso - aposta Minotauro.

A Cufa é bastante reconhecida no âmbito esportivo por eventos como a Taça das Favelas, a Liga Internacional de Basquete de Rua (LIIBRA) e os Jogos da Rua, nos quais mobiliza mais de 150 mil jovens de comunidades. No entanto, essa será a primeira vez que a organização fará um festival voltado para as artes marciais.

- Nunca fui muito fã de lutas, mas de um tempo para cá, por imposição do meu caçula Thales Athayde, comecei a me interessar um pouco mais e fui percebendo que as artes marciais tomam conta das favelas. Depois que passei a me envolver mais nesse universo, vi a quantidade de projetos escondidos e mal aproveitados que existem nas favelas. Posso assegurar que depois do futebol, a grande paixão, o grande esporte das favelas são as lutas. Queremos legitimar essa prática nas favelas e trazer melhores condições para a prática desse esporte, que em sua essência é sinônimo de garra e superação, assim como todos favelados - explica Celso Athayde, fundador da Cufa e idealizador do festival.

O festival terá um total de oito lutas amadoras em cada modalidade e 10 duelos profissionais de MMA, que contarão com as chancelas da CABMMA (Confederação Brasileira de Artes Marciais Mistas), FBERJ (Federação de Boxe do Estado do Rio de Janeiro) e a CBJJ (Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu). O evento será transmitido ao vivo, a partir das 19h, pelo Combate - que junto da Petrobrás e Vai Voando ajudaram a viabilizar o evento.

Desde o início do ano, a Cufa oferece oficinas gratuitas de jiu-jitsu, judô, muay-thai e MMA. Os interessados em participar devem comparecer à sede da organização, sob o viaduto de Madureira, para se inscreverem.

Luta e suor é o que não faltará em Madureira no próximo dia 30. Em parceria com o Combate e com o ex-campeão do UFC Rodrigo Minotauro, a Cufa (Central Única das Favelas) vai organizar um grande festival de lutas das favelas. O evento acontecerá sob o viaduto Negrão de Lima, em Madureira, de 13h às 23h, e contará com apresentações de capoeira e caratê, competições amadoras de boxe, jiu-jitsu e muay thai, e disputas profissionais de MMA. A entrada é gratuita até 19h.

Em visita à Cufa, Minotauro demonstrou muita empolgação com o novo projeto e acenou com a possibilidade de trilhar um caminho mais ativo na área social quando encerrar sua carreira profissional de lutador.

- Quando conheci o Celso (Athayde) e tudo o que ele fez através da Cufa, fiquei muito impressionado. A quantidade de jovens que são atendidos pelos projetos deles é incrível. Ele me disse que tinha vontade de fazer um festival de lutas nas favelas e eu na mesma hora disse que gostaria de estar com ele nessa. Quem conhece minha história sabe que sempre prezei por ajudar ao próximo, eu e o Rogério (Minotouro) temos o Instituto Irmãos Nogueira, que já auxilia milhares de jovens de comunidades. É uma coisa que quero entrar fundo quando encerrar minha carreira. Tenho certeza que o festival vai ser um grande sucesso - aposta Minotauro.

A Cufa é bastante reconhecida no âmbito esportivo por eventos como a Taça das Favelas, a Liga Internacional de Basquete de Rua (LIIBRA) e os Jogos da Rua, nos quais mobiliza mais de 150 mil jovens de comunidades. No entanto, essa será a primeira vez que a organização fará um festival voltado para as artes marciais.

- Nunca fui muito fã de lutas, mas de um tempo para cá, por imposição do meu caçula Thales Athayde, comecei a me interessar um pouco mais e fui percebendo que as artes marciais tomam conta das favelas. Depois que passei a me envolver mais nesse universo, vi a quantidade de projetos escondidos e mal aproveitados que existem nas favelas. Posso assegurar que depois do futebol, a grande paixão, o grande esporte das favelas são as lutas. Queremos legitimar essa prática nas favelas e trazer melhores condições para a prática desse esporte, que em sua essência é sinônimo de garra e superação, assim como todos favelados - explica Celso Athayde, fundador da Cufa e idealizador do festival.

O festival terá um total de oito lutas amadoras em cada modalidade e 10 duelos profissionais de MMA, que contarão com as chancelas da CABMMA (Confederação Brasileira de Artes Marciais Mistas), FBERJ (Federação de Boxe do Estado do Rio de Janeiro) e a CBJJ (Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu). O evento será transmitido ao vivo, a partir das 19h, pelo Combate - que junto da Petrobrás e Vai Voando ajudaram a viabilizar o evento.

Desde o início do ano, a Cufa oferece oficinas gratuitas de jiu-jitsu, judô, muay-thai e MMA. Os interessados em participar devem comparecer à sede da organização, sob o viaduto de Madureira, para se inscreverem.