icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
18/12/2013
21:10

Não era a despedida sonhada pelo técnico Cuca. Longe disso. Mas a péssima atuação diante do Raja Casablanca colocou uma mancha na passagem do treinador, que conseguiu colocar o Atlético-MG no topo do continente. O adeus foi melancólico, uma surra na semifinal do Mundial de Clubes que mexeu com os brios do treinador.

- É vergonhoso! Lógico que estamos com vergonha, devemos desculpas ao torcedor, sabemos o quanto gente humilde, simples, não mediu esforços para estar aqui. Frustramos o sonho deles, mas isso não pode manchar o que esse grupo fez pelo Atlético, ainda que seja muito dolorido e triste para todos nós. Temos de levantar a cabeça porque nossa profissão é assim mesmo - afirmou o técnico, em entrevista coletiva.

De saída para trabalhar no futebol chinês, o treinador garante que o fato de já ter acertado a mudança antes do duelo no Marrocos não interferiu no desempenho.

- É duro ficar justificando uma situação, mas é da nossa vida. Fizemos o torcedor muito triste. Cabe a grandeza de terminar da melhor forma possível para que no ano que vem o Atlético esteja aqui de novo. Não interferiu em nada a notícia da minha saída - completou.

Na visão de Cuca, as chances perdidas no primeiro tempo e a falta de gols geraram um descontrole no time, uma grande ansiedade.

- Passados 15, 20 minutos, esperávamos que a ansiedade saísse. Perdemos gols incríveis. Se a gente faz um gol e sai na frente, ganharíamos por 2, 3 a 0. Se toma o gol antes, o time vai abrir e tomar contra-ataque. Acabamos perdendo no final - emendou o treinador, que terá como último ato no Atlético-MG a disputa do terceiro lugar, contra o Guangzhou Evergrande, da China, no sábado:

- Vamos nos preparar com profissionalismo para fazer o melhor.

R10 faz belo gol, mas Raja elimina Atlético-MG no Mundial