icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
23/03/2014
20:36

Um gol de Júlio Baptista aos 42 minutos do segundo tempo. E foi só. Em uma partida boa, com muitas chances de gol para o Cruzeiro - várias pararam nas mãos do ótimo goleiro Leandro - e alguns lances de perigo para o Boa, o placar de 1 a 0, neste domingo, em Varginha, no Estádio Melão, ampliou ainda mais a vantagem cruzeirense na semifinal do Campeonato Mineiro. Agora, na partida de volta, no próximo fim de semana, no Mineirão, a Raposa carimba o passaporte para a decisão mesmo se perder por um gol de diferença.

Antes do jogo o Boa recebeu o troféu de campeão do interior, enquanto o Cruzeiro foi recebido com vaias, as maiores para o técnico Marcelo Oliveira. Resultado do mau momento da Raposa não no Mineiro, mas na Libertadores. Aliás, a torcida de Varginha não se fez de rogada: gritava a todos os pulmões "Eliminado, Eliminado".

Mas o Cruzeiro com uma surpresa na escalação, o lateral-esquerdo Samúdio no lugar de Egídio. Não se mostrou pressionado. Logo no primeiro minuto Julio Baptista tocou para Willian e este acertou a trave. Era o cartão de visitas. A Raposa mandava em campo, com Julio Baptista e Willians caindo bem pela esquerda e quase chegando ao gol aos 13 minutos, La Bestia tentou e o rebote ficou com Éverton Ribeiro que, pela esquerda, perto da pequena área, chutou para defesaço de Leandro. Aos 17, Willian arriscou de fora da área e mais uma vez Leandro defendeu, jogando para escanteio.

A pressão era total. Um escanteio cobrado por Éverton Ribeiro encontrou Bruno Rodrigo livre na área e a sua cabeçada passou raspando. Só aos 21 veio o primeiro grande ataque do Boa. Marinho Donizete recebeu pela esquerda e, na dividida com Dedé, caiu na área. A torcida e os jogadores pediram pênalti, mas o juiz mandou seguir. O jogo ficou bem mais animado e aberto.

As chances eram criadas, o jogo se baseava na proximidade das duas áreas, o Boa assustava com Bruno Aquino e Malaquias, a Raposa tinha um apoio consistente de seus laterais. E o lance mais incrível ocorreu aos 40 minutos, quando Samúdio cruzou da esquerda e Willian, na entrada da pequena área, deu um peixinho, obrigando o goleiro Leandro a fazer o milagre do fez um defesaço.

Os times voltaram sem mudanças do intervalo. Mas a postura do Boa passou a ser bem mais defensiva. Com isso, a Raposa dominou um rival , que nos primeiros dez minutos mal passou de sua intermediária. Com o Boa postado no miolo da defesa, a Raposa apostava nos avanços de seus laterais, principalmente Mayke, e ofereceu perigo numa bola parada com Dedé e em tiro de fora da área de Willian.

O Boa só foi chegar aos 11 minutos quando Bruno Rodrigo rechaçou mal a bola, Marinho Donizete ganhou a dividia e cruzou. Ninguém do Boa apareceu para concluir. Como ocorreu no primeiro tempo, este primeiro ataque acordou o time e a torcida. No minuto seguinte, num ataque, Bruno Aquino tentou cavar um pênalti. E tome vaia da torcida para o árbitro.

O jogo seguia bom para o Cruzeiro pelas costas do lateral-direito Edmar. Aos 23, Éverton Ribeiro caiu pela esquerda, cruzou e Willian, tocou. A bola passou raspando. O jogo caiu de ritmo até os 32 minutos, quando Marcelo Moreno, que acabara de entrar, chutou de longe e acertou o travessão do Boa. Se entrasse seria de placa.

Mas o gol mesmo só viria aos 42, quando Julio Baptista escorou cruzamento de Éverton Ribeiro pela esquerda e garantiu o triunfo celeste. A vitória foi merecida. Mas o Boa jogou muito e está de parabéns.

FICHA TÉCNICA
BOA ESPORTE 0 x 1 CRUZEIRO

Local: Melão, em Varginha (MG)
Data-Hora: 23/03/2014 - 18h30
Árbitro:    Igor Junio Benevenuto (CBF/FMF)
Auxiliares: Janette Mara Arcanjo e Pablo Almeida
Público/Renda: Não disponíveis

Cartões amarelos: Vinicius Hess (BOA); Lucas Silva, Willian e Julio Baptista (CRU)
Cartão vermelho: -

GOLS: Julio Baptista, 42'/2ºT (0-1)

BOA: Leandro; Edmar, Neylor, Matheus e Marinho Donizete; Vinícius Hess, Moisés, Betinho e Marcel; Malaquias (Filipinho, 22'/2ºT) e Bruno Aquino (Hudson, 19'/2ºT). Técnico: Nei da Matta

CRUZEIRO: Fábio; Mayke, Dedé, Bruno Rodrigo e Samúdio; Nilton, Lucas Silva (Henrique, 11'/2ºT), Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart (Alisson, 11'/2ºT); Willian (Marcelo Moreno, 30'/2ºT) e Julio Baptista  Técnico: Marcelo Oliveira.