icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
25/11/2014
11:44

Bicampeão brasileiro consecutivo, o Cruzeiro entra ainda mais motivado na finalíssima da Copa do Brasil, nesta quarta-feira, às 22h, diante do Atlético-MG, no Mineirão. A celebração, na noite de domingo, ocorreu em uma churrascaria na zona sul de Belo Horizonte e teve que ser mais contida devido à proximidade com a decisão do torneio de mata-mata.

Após perderem por 2 a 0 para o Galo na partida de ida da decisão, os comandados de Marcelo Oliveira necessitam vencer por pelo menos três gols de vantagem para conquistar a Tríplice Coroa, feito que alcançou em 2013.

O psicólogo esportivo Eduardo Cillo crê que a animação é importante para a finalíssima e avalia a decisão da comissão técnica de fazer uma celebração mais reservada como certa.

– Sem dúvida, um título brasileiro antes de uma decisão motiva e dá bastante moral para o elenco. Mas requer cuidado com os excessos. A comemoração tem que ser ponderada, porque o grupo tem uma decisão importante três dias depois – disse.

Mesmo com a redução dos excessos na comemoração, Marcelo Moreno sofreu com a insônia devido à ansiedade para o clássico. Ele ainda destaca a importância de se sagrar campeão nacional às vésperas do “jogo do ano”

– Dormi um pouco. Estou ansioso para este jogo que está por vir. É final, todos querem jogar, independente de estar cansado ou não. É um momento de superação. Todos têm que dar o máximo. O grupo está preparado para o jogo, vamos mostrar tudo dentro de campo. É o jogo do ano para o Cruzeiro. Nada pode nos parar nesse campo – disse o jogador.

– Uma confiança a mais. Isso era importante para cada um dos jogadores. A gente queria isso, queríamos ser campeões brasileiros, chegar com moral e impor respeito dentro do Mineirão – acrescentou.

Apesar da confiança cruzeirense, o time tem um desafio: conquistar uma vitória inédita sobre o Atlético na atual temporada. Os rivais se enfrentaram seis vezes, com três triunfos do Galo e três empates.