icons.title signature.placeholder Thiago Fernandes
icons.title signature.placeholder Thiago Fernandes
16/07/2013
10:14

Manter Éverton Ribeiro no elenco exigiu muito esforço da diretoria do Cruzeiro. O clube recusou uma proposta do Al Jaish, do Qatar, de € 10 milhões (cerca de R$ 30 milhões) por 60% dos direitos econômicos do meia-atacante. Nessa segunda-feira, o empresário Robson Ferreira se reuniu com o diretor de futebol Alexandre Mattos e o supervisor Benecy Queiroz. Ao término das conversas, que se arrastaram ao longo do dia, ambos alcançaram seus respectivos objetivos.

Com o intuito de segurar o apoiador na Toca da Raposa, a cúpula lhe propôs uma valorização contratual, aceita por seu representante. Este, porém, não foi o único motivo para a permanência do atleta, segundo Robson Ferreira.

– Com gesto e atitude, o Cruzeiro demonstrou todo o carinho pelo jogador e, pela primeira vez, eu vi no futebol um jogador tomar uma decisão pela emoção. Além da valorização que o Cruzeiro está lhe dando, o Éverton Ribeiro decidiu ficar pelo carinho que tem por todos. É claro que o Cruzeiro o valorizou, mas os números não chegam nem perto do que foi oferecido – disse, ao LANCE!Net.

E MAIS:
> Willian, ao LANCE!Net: ‘Me sinto muito honrado por defender o Cruzeiro’
> Cruzeiro não descarta a chegada de um substituto para o meia Diego Souza
> Leia mais sobre o Cruzeiro

Por mais que Éverton Ribeiro demonstre afeição pelo clube de Minas Gerais, o seu procurador garante que a escolha não foi fácil. A ida para o Oriente Médio representava a independência financeira do atleta.

– É uma proposta que já tínhamos em mãos há mais de um mês e o jogador estava analisando e tendo que optar pelo seu sonho de jogar no Cruzeiro ou jogar tudo para o alto e optar por sua independência financeira. Não foi fácil – analisou.

Apesar da manutenção do meia-atacante no grupo, a diretoria do Cruzeiro não deve findar as suas ações no mercado de transferências. Recentemente, Alexandre Mattos revelou que existe a possibilidade de chegar mais um atleta para reforçar o setor de criação.

Manter Éverton Ribeiro no elenco exigiu muito esforço da diretoria do Cruzeiro. O clube recusou uma proposta do Al Jaish, do Qatar, de € 10 milhões (cerca de R$ 30 milhões) por 60% dos direitos econômicos do meia-atacante. Nessa segunda-feira, o empresário Robson Ferreira se reuniu com o diretor de futebol Alexandre Mattos e o supervisor Benecy Queiroz. Ao término das conversas, que se arrastaram ao longo do dia, ambos alcançaram seus respectivos objetivos.

Com o intuito de segurar o apoiador na Toca da Raposa, a cúpula lhe propôs uma valorização contratual, aceita por seu representante. Este, porém, não foi o único motivo para a permanência do atleta, segundo Robson Ferreira.

– Com gesto e atitude, o Cruzeiro demonstrou todo o carinho pelo jogador e, pela primeira vez, eu vi no futebol um jogador tomar uma decisão pela emoção. Além da valorização que o Cruzeiro está lhe dando, o Éverton Ribeiro decidiu ficar pelo carinho que tem por todos. É claro que o Cruzeiro o valorizou, mas os números não chegam nem perto do que foi oferecido – disse, ao LANCE!Net.

E MAIS:
> Willian, ao LANCE!Net: ‘Me sinto muito honrado por defender o Cruzeiro’
> Cruzeiro não descarta a chegada de um substituto para o meia Diego Souza
> Leia mais sobre o Cruzeiro

Por mais que Éverton Ribeiro demonstre afeição pelo clube de Minas Gerais, o seu procurador garante que a escolha não foi fácil. A ida para o Oriente Médio representava a independência financeira do atleta.

– É uma proposta que já tínhamos em mãos há mais de um mês e o jogador estava analisando e tendo que optar pelo seu sonho de jogar no Cruzeiro ou jogar tudo para o alto e optar por sua independência financeira. Não foi fácil – analisou.

Apesar da manutenção do meia-atacante no grupo, a diretoria do Cruzeiro não deve findar as suas ações no mercado de transferências. Recentemente, Alexandre Mattos revelou que existe a possibilidade de chegar mais um atleta para reforçar o setor de criação.