icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci
16/11/2014
19:05

Santos e Cruzeiro estão separados por sete equipes e 24 pontos na tabela Campeonato Brasileiro, mas há algo que os une: ambos fazem contagem regressiva. A Raposa pelo tetracampeonato nacional, que está a duas vitórias de se concretizar. O Peixe pelo fim do ano, que está a melancólicas quatro partidas de acontecer. Neste domingo, o cansaço celeste equilibrou o duelo contra o Alvinegro, mas a maior motivação e qualidade técnica foram determinantes para a vitória mineira por 1 a 0, fora de casa.

No primeiro tempo, porém, o Cruzeiro parece não ter percebido que esperar o tempo passar era interessante apenas ao Santos e também não jogou. Foram 45 minutos de futebol pouco interessante e raras chances de gol criadas, reforçando o clima de amistoso proporcionado pela vazia e silenciosa Vila Belmiro. Na melhor oportunidade, Gabigol, cara a cara com Fábio, tentou driblar o goleiro e mandou para fora.

Marcelo Oliveira, então, deixou o gramado furioso. Bradou que seu time brigava pelo título e não poderia se portar daquela forma. De fato, a equipe celeste não estava em seu ritmo habitual. Sem Everton Ribeiro, a Raposa tinha dificuldades para trocar passes e ameaçar o gol de Aranha. O meio, distante da linha de defesa, também dava espaços para o Peixe criar. Faltava, contudo, inspiração para os donos da casa, que ou erravam passes ou concluíam mal.

O Cruzeiro não foi brilhante na etapa final - e já não tem sido há algum tempo -, mas foi eficiente, como há quase dois anos é. Como é de se esperar quando se tem Neto e Bruno Uvini como titulares, a zaga santista falhou na saída de bola, e Ricardo Goulart não perdoou. Tapa frio no canto de Aranha, para explosão da torcida azul, que lotou seu espaço na Vila.

Em sua pior sequência no ano, o Santos, que não vence há sete jogos, não esboçou reação alguma. Nem mesmo Robinho, homenageado com a camisa 100 pelo centésimo gol pelo clube anotado recentemente, conseguiu produzir algo. Enquanto os cruzeirenses, cansados, caíram no gramado após a partida, os alvinegros não conseguiram encontrar sequer explicações para o mal futebol. Um a um, deixaram o campo quietos ou monossilábicos.

Na próxima rodada, o Santos visita o Atlético-PR, na Arena da Baixada. Já o Cruzeiro tem parada dura contra o Grêmio, na Arena.

FICHA TÉCNICA:
SANTOS 0 x 1 CRUZEIRO

Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data/Hora: 16/11 - às 17h
Árbitro: Alinor Silva da Paixão - (MT)
Assistentes: Cristhian Passos Sorence (GO) e Fabio Rodrigo Rubinho (MT)
Cartões amarelos: Alison e Lucas Lima (Santos); Henrique (Cruzeiro)
Público e renda: 4094 pagantes/ R$ 126.120,00

GOL: Ricardo Goulart, aos 7'/2°T

SANTOS: Aranha; Cicinho, Bruno Uvini, Neto e Caju (Zeca, aos 23'/2°T); Alison, Renato e Lucas Lima; Rildo (Thiago Ribeiro, aos 13'/2°T), Robinho e Gabriel (Jorge Eduardo, aos 29'/2°T). Técnico: Enderson Moreira.

CRUZEIRO: Fábio; Ceará, Manoel, Bruno Rodrigo e Samudio; Nilton, Lucas Silva (Henrique - intervalo) e Ricardo Goulart (Willian Farias, aos 38'/2°T); Marquinhos, William (Éverton Ribeiro, aos 29'/2°T) e Marcelo Moreno. Técnico: Marcelo Oliveira.