icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
24/06/2014
14:51

A Costa Rica entrou em campo precisando de um empate com os reservas da Inglaterra para conquistar uma memorável primeira posição no Grupo D. E, ao contrário dos dois primeiros jogos, os Ticos jogaram com cautela e usando o regulamento, tentando frear os jovens ingleses. O 0 a 0 no fim do jogo garantiu os costarriquenhos no topo da chave, mas diminuiu um pouco o encanto sobre a sensação da Copa do Mundo até aqui.

Com relação à Inglaterra, as nove mudanças do técnico Roy Hodgson até que surtiram efeito: os ingleses foram melhores nos 90 minutos, mas não tiveram forças físicas para conquistar a vitória. Agora é hora de reconstruir para os próximos torneios. Com jovens do quilate de Shaw, Wilshere e Barkley, o material humano é bom.

O JOGO

O primeiro tempo começou com a Costa Rica pressionando os ingleses. O técnico Jorge Luis Pinto manteve o time-base que surpreendeu Uruguai e Itália, fazendo apenas duas alterações. A intenção era conseguir a vitória e garantir o primeiro lugar no Grupo D. Campbell demorou dois minutos para assustar o reserva Foster: em chute de fora da área, a bola bateu em Cahill e quase entrou. Mas foi só.

Aos poucos, porém, os jovens talentosos da Inglaterra superaram o nervosismo e a falta de entrosamento para prensar os costarriquenhos na própria defesa. Lallana e Barkley tiveram boa participação, com Wilshere aparecendo em lances com Sturridge. Lampard jogou mais recuado e, em sua 106º (e provavelmente última) partida pelo English Team, destacou-se pelos lançamentos. Um dos escolhidos de Hodgson para jogar todos os jogos, Sturridge teve duas boas chances. Na primeira, ele acabou travado e ficou reclamando de pênalti; na segunda, recebeu passe de cabeça de Phil Jones e acabou errando a finalização. Ao fim do primeiro tempo, o consenso foi que os reservas da Inglaterra foram superiores.

Na segunda etapa, a Inglaterra conseguiu manter o ritmo forte, talvez por ter um time mais descansado, e seguiu oferecendo perigo ao gol de Navas. Sturridge começou a aparecer, mas perdeu dois gols. Enquanto isso, a Costa Rica já pensava nas oitavas de final. Os Ticos em nada lembravam a equipe que encantou o público brasileiro nas vitórias sobre uruguaios e italianos. Sem nenhuma movimentação, nem jogadas diferentes.

Lampard fez seu 106º jogo e provavelmente último pela Inglaterra (Foto: Gustavo Andrade/AFP)

Aos 20 minutos, a intenção do técnico Jorge Luis Pinto ficou clara ao tirar Campbell, principal jogador do time: poupar a equipe para as oitavas. A Inglaterra parece ter sentido isso e apertou o passo em busca da vitória. O técnico Roy Hodgson também fez sua parte, colocando Gerrard e Rooney para jogar. No entanto, o gás inglês acabou e, tirando um lance isolado que o Shrek tentou encobrir o goleiro Navas, a dupla pouco fez em campo. A trinca de vitórias da Costa Rica sobre os campeões mundiais não veio. Mas a vaga em primeiro valeu a pena. Segue o conto de fadas costarriquenho.

FICHA TÉCNICA
COSTA RICA 0x0 INGLATERRA

Local: Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Data/hora: 24/06/2014 - 13h (de Brasília)
Árbitro: Djamel Haimoudi (ALG)
Auxiliares: Redouane Achik (MAR) e Abdelhak Etchiali (ALG)
Público:  57.823 pessoas
Cartões amarelos: Barkley e Lallana (ING); González (CRC)

GOLS:  Não houve

COSTA RICA: Navas, Duarte, González e Miller; Gamboa, Tejeda, Borges (Barrantes - 32' do 2º tempo) e Díaz; Brenes (Bolaños - 14' do 2º tempo), Campbell (Ureña - 20' do 2º tempo) e Ruíz. Técnico: Jorge Luis Pinto.

INGLATERRA: Foster, Jones, Smalling, Cahill e Shaw; Wilshere (Gerrard - 27' do 2º tempo), Lampard, Lallana (Sterling - 16' do 2º tempo), Milner (Rooney - 31' do 2º tempo) e Barkley; Sturridge. Técnico: Roy Hodgson.