icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
08/02/2015
21:24

A Costa do Marfim afastou a maldição, saiu da fila após 23 anos e voltou a conquistar a Copa Africana de Nações. Assim como no primeiro título continental dos Elefantes, em 1992, a vitória na Guiné Equatorial veio após uma emocionante disputa de pênaltis contra Gana. Depois de 120 minutos de bola rolando que não foram aproveitados (0 a 0), quem saiu como herói foi o goleiro marfinense Barry, autor da 22ª cobrança (isso mesmo), que confirmou a conquista.

A Costa do Marfim precisou se superar dentro da disputa de penalidades porque começou com o pé descalibrado, errando de cara as duas primeiras cobranças, enquanto Gana abriu 2 a 0.

Mas Barry e seus companheiros voltaram ao páreo depois que Acquah e Acheampong desperdiçaram. A partir do empate nas cobranças convertidas, as duas seleções passaram a dar um show na execução dos chutes. Com o incentivo de Yaya Touré de um lado e André Ayew do outro, foram impecáveis.

Mas o título não poderia ser dividido. E chegou a hora de os goleiros definirem. Barry já reclamava de cãibras, mas voou no canto esquerdo para defender o chute de Razak. Em êxtase, ele caiu com dores. Só que alguns passos e um chute ainda precisavam ser dados. Barry não desperdiçou e correu para comemorar o título com os marfinenses.