icons.title signature.placeholder Kaíque Ferreira e Marcio Porto
21/12/2013
08:10

O São Paulo tem encontrado dificuldade para atender ao pedido do técnico Muricy Ramalho de contratar um novo lateral-esquerdo para 2014. E, enquanto os dirigentes vão ao mercado, o clube assiste a mais um caso em que o modo centralizador do presidente Juvenal Juvêncio governar interfere no planejamento da comissão técnica. O personagem desta vez é cabeludo e irreverente Cortez.

O jogador está acertando seu retorno ao país após um período no Benfica (POR), foi pedido por Muricy, mas vetado por Juvenal. No clube, uma espécie de birra do presidente com o jogador é apontado como único motivo para ele não ficar no grupo para 2014, já que tem contrato até 2017. E quem defende a tese lembra que isso já aconteceu com Jean (Fluminense), Cícero e Arouca (Santos), e até o volante Renan, integrante do elenco campeão mundial em 2005 (leia abaixo).

Os três primeiros, mais recentes, também têm em comum uma espécie de volta por cima depois que deixaram o Morumbi. Passaram a ser destaque em seus clubes e fizeram com que o autoritarismo característico de Juvenal fosse alvo de críticas. As “vítimas”, por sua vez, evitam fazer críticas públicas ao mandatário, mas apresentam mágoa, mesmo que velada.

O meia Cícero, principal jogador do Santos nesta temporada, repetiu por diversas vezes quando deixou o São Paulo que saiu por interferência de cima, sem citar Juvenal, mas deixando claro que fatores extracampo influenciavam na formação do time. A queixa tem certa razão, já que, quando saiu, o jogador era participativo no grupo.

Cortez ainda não tem futuro definido, mas seu empresário, Eduardo Uram, diz que não falta interessados. Juvenal já disse que irá emprestá-lo. Muricy tem Reinaldo, Carleto e o argentino Clemente Rodríguez como opções para a posição. Já Cortez vai lutar para repetir o sucesso dos “injustiçados”.

Outros renegados por Juvenal

Jean
Negociado com o Fluminense no início de 2012, era titular do time. No mesmo ano, sagrou-se campeão brasileiro pelo clube carioca, sendo um dos destaques e chegando à Seleção Brasileira. Na época técnico do São Paulo, Emerson Leão usou o sucesso do atleta para alfinetar a diretoria.

Cícero
Chegou ao clube em 2011 com aval do coordenador técnico Milton Cruz, entusiasta de seu futebol. Disputou mais de cem partidas, elogiado pela versatilidade, mas foi liberado para se transferir ao Santos no início deste ano. Termina 2013 como goleador e principal jogador do rival.

Arouca
Considerado um case e uma dos maiores erros de Juvenal à frente do São Paulo. Contratado do Fluminense em 2009, foi trocado por Rodrigo Souto já no ano seguinte com o Santos e virou um dos pilares do time de Neymar e Ganso, que conquistou três Paulistas, Copa do Brasil e Libertadores.

Renan
Volante agradava Emerson Leão e seu sucessor Paulo Autuori, no time multicampeão em 2005, foi titular, mas Juvenal resolveu dispensá-lo. Foi emprestado ao Juventude e depois rodou por diversos clubes. Seu contrato com o São Paulo venceu apenas em 2010. Atualmente atua no Sport.