icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
30/07/2013
15:41

Com aproximadamente 33 mil sócios, o Coritiba, atualmente, é o sexto clube com mais associados no Brasil, atrás apenas de Internacional (106 mil), Corinthians (103 mil), Grêmio (72 mil), Santos (60 mil) e São Paulo (50 mil). No entanto, o clube está partindo para um outro segmento e, na tentativa de aumentar este quadro, é o primeiro time do País a angariar sócios internacionais.

No início de julho, o Coxa lançou seu pacote de sócios na Turquia. O país foi o primeiro a ser escolhido por conta da forte ligação dos turcos com o meia Alex, que jogou no Fenerbahçe entre 2004 e 2012. Segundo o diretor de marketing do Alviverde, Paulo César Verardi, a ideia surgiu na busca de associar torcedores no mundo todo e aproveitaram a reputação do camisa 10 para dar o pontapé inicial.

- Tem dois fatos. O primeiro é que temos uma prioridade muito grande em relação a associação de torcedores do Coritiba, estejam eles onde estiverem. Não querermos ter limites geográficos. E o segundo, que contribuiu muito, foi o Alex, que tem uma ligação muito grande na Turquia. Então, em um determinado momento, tentando ajustar isto tudo, idealizamos este projeto, o "sócio-exterior". Na Turquia, tem uma personalização em cima do Alex, o "sócio-Turquia" - explicou Verardi.

Os interessados em se associar na Turquia contam com duas opções de planos. A primeira, a classic, custa 9,90 euros (R$ 29,70) por mês e o associado tem direito a assistir no Couto Pereira duas partidas por mês ou quatro por ano, além de ganhar no final do ano um dvd com os melhores momentos da equipe na temporada. Já o sócio premium, paga 19,90 euros (R$ 59,70) por mês e, além das vantagens do outro plano, após 12 meses ganha uma camisa do Coritiba, sendo as 100 primeiras autografadas por Alex.

Com menos de um mês, o número de adesões foi significativo. Tanto que o Coritiba espera, até o final do ano, contar com aproximadamente cerca de mil sócios internacionais.

- Nós não tínhamos uma expectativa de um número muito alto. Mas tivemos uma adesão muito grande logo após o lançamento. Agora estamos em uma fase de amadurecimento. Com o tempo, vamos ter aproximadamente mil sócios, um número muito importante e representativo - acrescentou o diretor de marketing coxa-branca.

Projeto será implementado em outros países

O projeto do Coritiba de atrair sócios fora do Brasil deve ganhar uma maior dimensão em breve. A expectativa da diretoria é de que até o final de agosto o plano seja expandido para a Alemanha e para os Estados Unidos. O país europeu foi o escolhido por conta das raízes do Coxa, fundado por descendentes alemães, enquanto o país americano conta com muitos torcedores do clube, além de muitos turcos morarem por lá.

Os planos associativos devem seguir os mesmos moldes dos pacotes oferecidos na Turquia, exceto na questão das camisas autografadas por Alex, além de o valor ser em dólar, nos Estados Unidos. A longo prazo, outros países também serão selecionados. No entanto, os demais ainda estão sendo estudados, sem prazo para novos planos.

Para Paulo César Verardi, a tendência é que até o final de julho do ano que vem, cerca de 7% do número total de associados do Coxa seja de torcedores que moram fora do Brasil, sendo a grande maioria vindo da América do Norte.

-  É um novo serviço. Acreditamos que nos Estados Unidos vamos ter uma adesão importante e a médio prazo, dentro de 12 meses, a nossa expectativa é de que mais ou menos de 6% a 7% dos nossos associados sejam do exterior - destacou o diretor de marketing.

Bate-bola

Paulo César Verardi
Diretor de marketing do Coritiba

Normalmente os sócios dos clubes têm vantagem na questão de ingressos. O Coritiba não teme ter um prejuízo nestes sócios do exterior caso não haja muita adesão?

É um trabalho maior de comunicação e logística. O risco de ter um prejuízo é muito minimizado. Os custos só aparecem quando surgem os sócios, ao mesmo tempo que vem a receita.

Existe a possibilidade de o Coritiba realizar alguma ação nestes países onde estão sendo lançados estes planos de sócios, justamente para atrair os torcedores?

Isso nos abre a possibilidade de uma série de coisas. o que está por trás disso é um trabalho de globalização da marca. E, para isto, você pensa em escolas de futebol, amistosos e pré-temporadas no exterior. O mais importante sempre é o futebol.

O foco é apenas os torcedores do Coritiba que moram fora do Brasil ou o objetivo é ir mais além?

Estamos aprendendo com estes processos. Na Turquia, temos o desejo de atingir não só os brasileiros, mas também os apaixonados pelo Alex

Com aproximadamente 33 mil sócios, o Coritiba, atualmente, é o sexto clube com mais associados no Brasil, atrás apenas de Internacional (106 mil), Corinthians (103 mil), Grêmio (72 mil), Santos (60 mil) e São Paulo (50 mil). No entanto, o clube está partindo para um outro segmento e, na tentativa de aumentar este quadro, é o primeiro time do País a angariar sócios internacionais.

No início de julho, o Coxa lançou seu pacote de sócios na Turquia. O país foi o primeiro a ser escolhido por conta da forte ligação dos turcos com o meia Alex, que jogou no Fenerbahçe entre 2004 e 2012. Segundo o diretor de marketing do Alviverde, Paulo César Verardi, a ideia surgiu na busca de associar torcedores no mundo todo e aproveitaram a reputação do camisa 10 para dar o pontapé inicial.

- Tem dois fatos. O primeiro é que temos uma prioridade muito grande em relação a associação de torcedores do Coritiba, estejam eles onde estiverem. Não querermos ter limites geográficos. E o segundo, que contribuiu muito, foi o Alex, que tem uma ligação muito grande na Turquia. Então, em um determinado momento, tentando ajustar isto tudo, idealizamos este projeto, o "sócio-exterior". Na Turquia, tem uma personalização em cima do Alex, o "sócio-Turquia" - explicou Verardi.

Os interessados em se associar na Turquia contam com duas opções de planos. A primeira, a classic, custa 9,90 euros (R$ 29,70) por mês e o associado tem direito a assistir no Couto Pereira duas partidas por mês ou quatro por ano, além de ganhar no final do ano um dvd com os melhores momentos da equipe na temporada. Já o sócio premium, paga 19,90 euros (R$ 59,70) por mês e, além das vantagens do outro plano, após 12 meses ganha uma camisa do Coritiba, sendo as 100 primeiras autografadas por Alex.

Com menos de um mês, o número de adesões foi significativo. Tanto que o Coritiba espera, até o final do ano, contar com aproximadamente cerca de mil sócios internacionais.

- Nós não tínhamos uma expectativa de um número muito alto. Mas tivemos uma adesão muito grande logo após o lançamento. Agora estamos em uma fase de amadurecimento. Com o tempo, vamos ter aproximadamente mil sócios, um número muito importante e representativo - acrescentou o diretor de marketing coxa-branca.

Projeto será implementado em outros países

O projeto do Coritiba de atrair sócios fora do Brasil deve ganhar uma maior dimensão em breve. A expectativa da diretoria é de que até o final de agosto o plano seja expandido para a Alemanha e para os Estados Unidos. O país europeu foi o escolhido por conta das raízes do Coxa, fundado por descendentes alemães, enquanto o país americano conta com muitos torcedores do clube, além de muitos turcos morarem por lá.

Os planos associativos devem seguir os mesmos moldes dos pacotes oferecidos na Turquia, exceto na questão das camisas autografadas por Alex, além de o valor ser em dólar, nos Estados Unidos. A longo prazo, outros países também serão selecionados. No entanto, os demais ainda estão sendo estudados, sem prazo para novos planos.

Para Paulo César Verardi, a tendência é que até o final de julho do ano que vem, cerca de 7% do número total de associados do Coxa seja de torcedores que moram fora do Brasil, sendo a grande maioria vindo da América do Norte.

-  É um novo serviço. Acreditamos que nos Estados Unidos vamos ter uma adesão importante e a médio prazo, dentro de 12 meses, a nossa expectativa é de que mais ou menos de 6% a 7% dos nossos associados sejam do exterior - destacou o diretor de marketing.

Bate-bola

Paulo César Verardi
Diretor de marketing do Coritiba

Normalmente os sócios dos clubes têm vantagem na questão de ingressos. O Coritiba não teme ter um prejuízo nestes sócios do exterior caso não haja muita adesão?

É um trabalho maior de comunicação e logística. O risco de ter um prejuízo é muito minimizado. Os custos só aparecem quando surgem os sócios, ao mesmo tempo que vem a receita.

Existe a possibilidade de o Coritiba realizar alguma ação nestes países onde estão sendo lançados estes planos de sócios, justamente para atrair os torcedores?

Isso nos abre a possibilidade de uma série de coisas. o que está por trás disso é um trabalho de globalização da marca. E, para isto, você pensa em escolas de futebol, amistosos e pré-temporadas no exterior. O mais importante sempre é o futebol.

O foco é apenas os torcedores do Coritiba que moram fora do Brasil ou o objetivo é ir mais além?

Estamos aprendendo com estes processos. Na Turquia, temos o desejo de atingir não só os brasileiros, mas também os apaixonados pelo Alex