icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese e Renato Rodrigues
23/03/2014
11:00

O Corinthians não gastou nada para tirar o zagueiro Cleber da Ponte Preta, no fim de julho do ano passado. No acordo com o grupo de empresários responsável pela compra dos direitos do jogador, o clube tem até a metade de abril para exercer o direito de compra de 20% dos direitos econômicos por R$ 1,5 milhão.

Na época, foram pagos à Ponte Preta R$ 6 milhões por um grupo de empresários formado por Thiago Ferro e Guilherme Miranda, ex-diretores da DIS, braço esportivo do Grupo Sonda; Fernando Garcia, irmão do conselheiro de oposição do clube, Paulo Garcia; Nilson Moura, diretor da Art Sports, e Marcus Sanchez, diretor da EMS, também agente do santista Léo Cittadini.

Como mostrou o LANCE!Net nesta semana, Fernando Garcia, um dos empresários que detêm parte de Cleber, colocou à disposição R$ 6 milhões para o Corinthians fazer contratações para o restante de 2014. Na situação financeira atual do clube, não é garantia que a compra dos direitos de Cleber será efetuada, apesar do valor teoricamente baixo para os padrões.

Cleber, cujo contrato vai até o fim de 2017, era reserva da equipe até a metade deste Paulistão. O então titular Paulo André decidiu sair para o Shanghai Shenhua, da China, e Felipe, reserva imediato, assumiu a posição com más atuações. Então, o técnico Mano Menezes decidiu apostar em Cleber.