icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
20/02/2015
11:59

A diretoria do Corinthians perdeu a paciência com a Prefeitura de São Paulo. Na manhã desta sexta-feira, o clube emitiu uma nota oficial em seu site cobrando do prefeito Fernando Haddad a liberação dos Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CIDs), referentes aos benefícios levados à região de Itaquera por meio da construção da Arena Corinthians para a disputa da Copa do Mundo.

Ao site “Uol”, o prefeito de São Paulo rebateu, dizendo que os CIDs foram emitidos, ao contrário do que acusa o clube. Haddad explicou ainda que o benefício concedido pela Prefeitura foi por meio de emissão de títulos públicos (em R$ 400 milhões), e não em dinheiro.

Pela operação, o contribuinte compraria o CID, tendo isenções fiscais em contrapartida. O problema é que, segundo o prefeito, não houve interessados em adquirir os CIDs em virtude de ação do Ministério Público contestando a legalidade do acordo entre Corinthians e prefeitura.

- O CID foi emitido da forma prevista. Mas tem uma ação judicial contestando a legalidade [da emissão do CDI]. Isso causou receio do contribuinte interessado em comprar esses títulos públicos - afirmou Haddad.

A ação citada foi movida pelo promotor Camargo Milani em 2012, contestando a engenharia financeira costurada para a construção do Itaquerão. Na época, o promotor afirmou que a construção do estádio e a cessão do terreno eram ilegais e que a concessão dos incentivos fiscais também estavam fora da lei. Na ação, o então prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), foi acusado de improbidade administrativa porque teria renunciado a R$ 42 milhões, que deixaram de ser arrecadados pelo Município, como cota de 5% de ISS, sobre o valor da construção do estádio.

Ainda sob a gestão de Gilberto Kassab, a Câmara Municipal de São Paulo (CMSP) aprovou que a Prefeitura concedesse até R$ 420 milhões de incentivos fiscais para a construção do estádio em Itaquera, Zona Leste da capital paulista. O clube não diz na nota oficial se já houve liberação parcial desse valor ou não, apenas ressalta que já foram gastos R$ 80 milhões com juros bancários.

Pelo projeto, o clube receberia os CIDs no valor de 50 mil cada um, válidos por dez anos. Por meio dos CIDs, Corinthians e Odebrecht, empreiteira responsável pela obra, poderiam abater até 60% do Imposto sobre Serviços (ISS) e 50% do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). Os papéis dados pela Prefeitura ainda poderiam ser vendidos no mercado financeiro - o comprador obteria desconto sobre o valor de face. O novo dono dos papéis (CIDs) também poderia pagar dívidas municipais.

Na nota oficial, o Corinthians afirma que nem mesmo o grande fluxo de turistas durante o Mundial, que levou a cidade de São Paulo a ser elogiada mundialmente, parece capaz de convencer o prefeito Fernando Haddad a liberar os recursos. Na publicação, o Corinthians afirma ainda que que o atraso na liberação dos CIDs ainda interfere diretamente na contratação de jogadores que possam deixar o elenco mais forte e competitivo, o que eleva também a arrecadação em bilheterias de jogos.

CONFIRA A NOTA EMITIDA NO SITE DO CORINTHIANS:

"Dias após tomar posse, o novo presidente do Corinthians, Roberto de Andrade, ainda encontra dificuldades para compreender a parceria entre a Prefeitura de São Paulo e o Corinthians, no acordo firmado para a liberação dos Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CIDs), uma questão fundamental para o clube, mas que até hoje, passados sete meses da final da Copa do Mundo de Futebol, ainda não foi resolvida. Até agora, ao contrário do que determina o acordo, o Corinthians não viu a cor do dinheiro.

Apesar de já ter dito que não gostou do formato do compromisso firmado pela PMSP para a liberação desse dinheiro, o Prefeito Fernando Haddad parece se esquecer dos benefícios trazidos ao município, principalmente os milhões de reais decorrentes do crescimento da arrecadação de impostos, em função da Copa do Mundo de futebol na Arena Corinthians, que foi palco inclusive do jogo de abertura, além de mais cinco partidas.

Com os jogos e o grande fluxo de turistas, a cidade não só ficou mais conhecida mundialmente, como também foi elogiada por todos. E o que mais importante é que o comércio vendeu mais, as companhias aéreas lotaram seus voos, os hotéis ficaram cheios e a Zona Leste ganhou, com o novo estádio corinthiano, um novo polo de desenvolvimento. Será que nada disso sensibiliza o Prefeito?

Mais do que nunca, é preciso que ele perceba a gravidade da situação, porque o atraso dos CIDs está provocando uma elevação insustentável da dívida do clube, em função do pagamento dos juros dos empréstimos bancários contraídos para que a Arena ficasse pronta a tempo e de acordo com as exigências da Fifa. Só os juros já representam R$ 80 milhões da dívida.

Se a questão não for resolvida com a rapidez exigida, o endividamento crescente começará a afetar inclusive o Departamento de Futebol, com o clube podendo vir a ter dificuldades para contratar bons jogadores. Um bom elenco também contribui para conseguir boas bilheterias nos jogos e seguir pagando as contas com pontualidade. A nova diretoria teme ainda pela realização das partidas de futebol das Olimpíadas de 2016 previstas para ocorrer na Arena Corinthians.

Enfim, o Corinthians entende que fez sua parte para que a cidade de São Paulo ocupasse um lugar de destaque na Copa do Mundo de 2014. A Arena do Corinthians cumpriu o seu papel de vanguarda na modernidade tão desejada para os estádios do país. Somos e fomos parceiros do município no desafio vencido e reconhecido pelo país e o mundo. O que o clube espera agora é que esses esforços sejam finalmente reconhecidos, mas sem pedir nada a mais dos que foi acordado com a Prefeitura, só o dinheiro dos CIDs".

*Atualizado às 14h51