icons.title signature.placeholder Carlos Alberto Vieira, Eduardo Mendes, Igor Siqueira e Leo Burlá
14/07/2014
11:38

O ministro do Esporte mostrou estar de alma lavada com o sucesso da Copa do Mundo no Brasil. Na coletiva para balanço do Mundial, Aldo Rebelo usou e abusou da ironia para rebater aqueles que, no início, tinham temor pela realização da competição mais importante do futebol "na selva", especialmente em Manaus.

- As cobras se recolheram durante a Copa e ninguém foi mordido. Não teve nenhum cachorro louco mordendo turista - brincou Rebelo, que ainda acrescentou:

- Sempre dizia que nós tínhamos feito coisas importantes e seríamos capazes de realizar a Copa. Acho que conseguimos fazer. Quero agradecer mais uma vez a paciência e dizer aos estrangeiros que nos deixaram que voltem um dia. Aos brasileiros, que quem sabe, sem perder espírito crítico, tenham pouco mais de confiança na nossa capacidade.

O ministro ainda creditou à imprensa um certo pessimisto exagerado durante os preparativos para o evento.

- Compreendo o espírito crítico da imprensa. Não contesto essa função da imprensa. Houve, no caso da Copa, um estado de espírito de pessimismo, de descrença e desconfiança. Mas o Brasil superou. Era fácil perceber porque tínhamos passado pela Copa das Confederações. Poderíamos imaginar que, por esse parâmetro, realizaríamos uma Copa do Mundo à altura do que o mundo e nós próprios esperávamos. Nunca fiz crítica aos parceiros no esforço de realizar a Copa - completou Rebelo.

O clima de comemoração também contagiou o CEO do Comitê Organizador Local, Ricardo Trade.

- Mostramos a todos que podemos, sim, fazer uma Copa - disse ele.