icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
18/11/2013
14:44

A Copa do Mundo no Brasil poderá ser a primeira a não ter a presença do melhor jogador do mundo em atividade. Isso porque o meia francês Ribéry, do Bayern de Munique, cotado como um dos favoritos à Bola de Ouro pode não ir ao Mundial caso se confirme a eliminação da França.

A seleção francesa está em situação complicada na repescagem europeia para a Copa do Mundo. Perdeu o primeiro jogo para a Ucrânia por 2 a 0, em Kiev, e agora terá de vencer por pelo menos três gols de diferença em Saint-Denis para ir ao Mundial. Repetição do placar de 2 a 0, a favor da França, leva a definição à prorrogação.

Desde que o prêmio de melhor jogador do mundo passou a ser dado pela Fifa, em 1991, sempre o ganhador do prêmio esteve na Copa do Mundo seguinte. Foram os casos de Roberto Baggio, melhor do mundo de 1993, Ronaldo, vencedor do prêmio em 1997, Figo, em 2001, Ronaldinho Gaúcho, em 2005, e Messi, após a fusão com a Bola de Ouro e premiado pela temporada 2009/10.

Um dos destaques do Bayern de Munique na temporada passada, quando o clube alemão conquistou todos os títulos que disputou, Ribéry foi posto como favorito a ficar com a Bola de Ouro na cerimônia do dia 13 de janeiro. Seus principais oponentes deverão ser Cristiano Ronaldo e Messi. O português, todavia, é outro que corre risco, menor é verdade, de ficar fora da Copa no Brasil.

Melhor do mundo não vence a Copa

Caso se confirme como o vencedor da Bola de Ouro em 2014, e a França consiga reverter a situação difícil em que se encontra, Ribéry pode passar a ter outra preocupação. É que nunca o eleito a melhor jogador do mundo conquista a Copa seguinte.

Roberto Baggio foi vice-campeão com a Itália em 1994, perdendo o histórico pênalti na disputa com o Brasil. Já Ronaldo foi vice em 1998, para a França, na final que contou com o polêmico episódio de sua convulsão.

Quatro anos depois, em 2002, a seleção de Portugal, com Figo em campo, foi eliminada ainda na primeira fase da Copa do Mundo. Em 2006 a decepção ficou por parte de Ronaldinho Gaúcho e da Seleção Brasileira, que muito se esperava mas caiu outra vez diante da França nas quartas de final.

Por fim, em 2010, a Argentina dirigida por Maradona não foi além das quartas de final. Messi e seus companheiros foram eliminados pela Alemanha.