icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
01/07/2014
19:42

Ainda faltam oito jogos para o fim da Copa do Mundo. Mas se as oitavas de final foram um indicador de como será o restante do torneio, o torcedor pode se preparar para muita emoção. Instituída no Mundial de 1998 para acomodar mais times (o número de seleções subiu de 24 para 32), as oitavas tiveram, em 2014, o maior número de prorrogações na história.

Entre os oito duelos, simplesmente cinco precisaram do tempo extra, no mínimo, para serem decididos. Apenas Colômbia, Holanda e França passaram por Uruguai, México e Nigéria, respectivamente, sem precisarem da prorrogação. E destes apenas os colombianos não tomaram sufoco.

Nos outros cinco jogos, houve necessidade de prorrogação, com Brasil, Costa Rica, Alemanha, Argentina e Bélgica eliminando, nesta ordem, Chile, Grécia, Argélia, Suíça e Estados Unidos. Este é o número mais alto de prorrogações na fase de oitavas de final. Os duelos de Brasil x Chile e Costa Rica x Grécia ainda precisaram da disputa de pênaltis para decidir quem passava às quartas de final.

> Veja quantas prorrogações tivemos nas últimas oitavas de final:

1998 - 2 (Argentina x Inglaterra e França x Paraguai)

2002 - 3 (Coreia do Sula x Itália; Espanha x Irlanda e Suécia x Senegal)

2006 - 2 (Argentina x México e Suíça x Ucrânia)

2010 - 2 (Estados Unidos x Gana e Paraguai x Japão)