icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
04/11/2013
15:32

A Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge) divulgou nota nesta segunda-feira em que repudia as declarações do ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, Wellington Moreira Franco, que atribuiu o atraso nas obras dos aeroportos para a Copa do Mundo a "engenheiros ruins". Segundo a Fisenge, o real motivo da demora não deve ser atribuído aos engenheiros brasileiros e sim ao funcionamento da Lei de Licitações, que acata projetos básicos para as obras, que depois precisam ser detalhados. Por meio da nota, a Fisenge afirma ainda que outra causa é a "incúria (desleixo) aliada à incompetência de seus dirigentes do Ministério".

E MAIS:
Para ministro, culpa nos atrasos das obras de aeroportos para Copa é dos engenheiros

Na semana passada, durante o Encontro Nacional de Editores da Coluna Esplanada, Moreira Franco afirmara que "os atrasos não acontecem por falta de dinheiro ou de vontade, é por responsabilidade. Os projetos que pegamos para executar são muito ruins, e temos refazer todos eles". No domingo, o ministro divulgou uma nota em que justifica a declaração e afirmou que há "gap geracional, interrompendo o processo natural de qualificação profissional pela transferência de conhecimento via estágio e convivência com os mais experientes".

Das doze reformas em aeroportos previstas pelo governo federal para a Copa do Mundo, pelo menos seis ainda não chegaram à metade da execução de ampliação dos terminais de passageiros. Apesar do atraso, a Infraero garante que todas estarão prontas a tempo para a Copa do Mundo. Porém, segundo relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) divulgado em agosto, é certo que o aeroporto de Fortaleza (CE) não terá a segunda fase de ampliação executada a tempo do Mundial.