icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
30/07/2013
07:46

O clássico de domingo, contra o Botafogo, foi representativo de maneiras distintas para dois jogadores que chegaram ao Flamengo no início do ano com status de grandes contratações. Enquanto a partida foi a consagração para Elias, que marcou o gol de empate nos acréscimos – depois de ter feitos outros dois, anulados –, mostrou também que a paciência da torcida com Carlos Eduardo pode já ter passado dos limites.

O custo-benefício de Elias nesta temporada pelo Flamengo tem sido satisfatório. Entre os salários mais altos do elenco, o camisa 8 tem sido um dos líderes e uma peça importante desde a chegada ao Rubro-Negro, seja com Dorival Júnior, Jorginho ou Mano Menezes.

E MAIS
> Elias é só euforia após marcar gol de empate para o Flamengo
> Mano explica por que as mudanças surtiram efeito contra o Botafogo
> Vaiado durante o clássico, Carlos Eduardo recebe apoio de Mano

Por outro lado, não se pode dizer o mesmo de Carlos Eduardo. Com o maior vencimento mensal do grupo (cerca de R$ 500 mil), o jogador atuou em apenas 18 partidas este ano e em nenhuma ficou durante os 90 minutos em campo, mesmo tendo sido inúmeras vezes poupado para a realização de trabalhos especiais. O reflexo disto pode ter sido as vaias recebidas ao sair do jogo.

Esta diferença entre as recentes atuações de ambos ficou clara na entrevista do técnico Mano Menezes após o empate com o Botafogo. Enquanto ressaltou que Elias está voltando a atuar de forma parecida a quando esteve no auge, no Corinthians, pediu calma com Carlos Eduardo e apontou melhora.

– Estas vaias são antigas, ele já está melhor, mas ainda vai errar, como outros jogadores também erraram. O Carlos Eduardo vai conviver com esta cobrança pela expectativa grande que se criou, mas tem trabalhado para melhorar. O Elias está voltando a ser o jogador que eu tive no Corinthians, muito bom, rápido. Ele tem sido um jogador constante e por isso confio muito nele – resumiu o treinador rubro-negro.

O clássico de domingo, contra o Botafogo, foi representativo de maneiras distintas para dois jogadores que chegaram ao Flamengo no início do ano com status de grandes contratações. Enquanto a partida foi a consagração para Elias, que marcou o gol de empate nos acréscimos – depois de ter feitos outros dois, anulados –, mostrou também que a paciência da torcida com Carlos Eduardo pode já ter passado dos limites.

O custo-benefício de Elias nesta temporada pelo Flamengo tem sido satisfatório. Entre os salários mais altos do elenco, o camisa 8 tem sido um dos líderes e uma peça importante desde a chegada ao Rubro-Negro, seja com Dorival Júnior, Jorginho ou Mano Menezes.

E MAIS
> Elias é só euforia após marcar gol de empate para o Flamengo
> Mano explica por que as mudanças surtiram efeito contra o Botafogo
> Vaiado durante o clássico, Carlos Eduardo recebe apoio de Mano

Por outro lado, não se pode dizer o mesmo de Carlos Eduardo. Com o maior vencimento mensal do grupo (cerca de R$ 500 mil), o jogador atuou em apenas 18 partidas este ano e em nenhuma ficou durante os 90 minutos em campo, mesmo tendo sido inúmeras vezes poupado para a realização de trabalhos especiais. O reflexo disto pode ter sido as vaias recebidas ao sair do jogo.

Esta diferença entre as recentes atuações de ambos ficou clara na entrevista do técnico Mano Menezes após o empate com o Botafogo. Enquanto ressaltou que Elias está voltando a atuar de forma parecida a quando esteve no auge, no Corinthians, pediu calma com Carlos Eduardo e apontou melhora.

– Estas vaias são antigas, ele já está melhor, mas ainda vai errar, como outros jogadores também erraram. O Carlos Eduardo vai conviver com esta cobrança pela expectativa grande que se criou, mas tem trabalhado para melhorar. O Elias está voltando a ser o jogador que eu tive no Corinthians, muito bom, rápido. Ele tem sido um jogador constante e por isso confio muito nele – resumiu o treinador rubro-negro.