icons.title signature.placeholder Renato Rodrigues
18/03/2014
07:09

A ida do Corinthians a Feira de Santana será especial para a família Porto. O "evento" fará todos se lembrarem do marido, pai e avô que foi Gilson Porto, ponta-esquerda do Timão entre 1965 e 1968. Falecido em 2003 por conta de um câncer no pâncreas, o feirense tinha o time do Parque São Jorge como uma de suas maiores paixões.

Apesar das passagens por Internacional e Bahia, principalmente, o abusado e habilidoso ponta se viu realizado na carreira quando, enfim, vestiu a camisa do Timão.

– Ele foi muito bem tratado no Internacional, foi campeão um monte de vezes e o clube o homenageia frequentemente. Mas o Corinthians sempre foi a equipe que ele idolatrava. Foi o time no qual ele mais gostou de jogar, não tinha jeito. Era o time de coração dele – conta a viúva de Gilson, Tereza Porto.

A busca da reportagem pelo paradeiro do ex-corintiano começou em São Paulo. Assim que contactada por telefone, Tereza se encheu de emoção e fez questão de receber o LANCE!Net em sua casa, em Gabriela, bairro simples de Feira.

Mais do que a vontade de contar suas lembranças, ela preparou um banquete e não se cansou de mostrar quadros e fotos do marido com a camisa do Corinthians. Uma das histórias preferidas é quando ele atuou ao lado do craque Garrincha, quando conquistaram, de forma dividida com Vasco, Botafogo e Santos, o Rio-São Paulo de 1966, único título de ambos pelo Timão.

Além de Tereza, os filhos Gilson Porto Junior, Zulema Porto e Frederico Porto estiveram no encontro. O último, mais novo, diz que vivia pra lá e pra cá com o "painho".

– Para qualquer cidade que ele fosse treinar times, eu estava atrás. Não o vi jogar, mas cansei de escutar suas histórias e visualizar suas jogadas – conta Fred, que chegou até a ganhar uma Copa São Paulo de Juniores.

Pouco badalado, Gilson Porto fez 134 jogos e 11 gols pelo Timão. Um deles em um amistoso em sua terra natal, contra o próprio Bahia de Feira, quando os alvinegros ganharam por 7 a 0. O suficiente para ser o grande herói de netos, filhos e outros milhares de feirenses.

QUEM É

Nome:
Gilson Pereira Porto

Nascimento:
14/2/1944, Feira de Santana (BA)

Faleceu:
13/1/2003 (58 anos), Salvador (BA)

Equipes:
Bahia de Feira; Fluminense, Corinthians, Internacional, Fluminense de Feira, Bahia, América-RN e Santos. 

VEJA UM BATE-BOLA EXCLUSIVO COM TEREZA PORTO, VIÚVA DO EX-PONTA-ESQUERDA

Como estavam quando Gilson Porto foi convidado para jogar no Corinthians em 1965?
A gente estava noivo e ele foi para São Paulo sem a gente casar. Foi embora e prometeu voltar. E a gente casou um dia depois do amistoso que ele fez aqui e ganhou de 7 a 0. Aí, ele me levou para São Paulo.

E como foi sua passagem lá?
De começo foi tudo maravilhoso, ele gostava de todo mundo e era querido também, dava muitos passes para gol de cruzamento. Mas aí o Oswaldo Brandão (técnico) pegou bronca dele, falava que ele era feiticeiro por causa de ser baiano. Tinha muito preconceito, coisa de macumba, essas coisas...

Os feirenses gostam dele...
Quase ninguém conhecia Feira e ele, onde ia, falava da cidade. Todo mundo falava, lá vai o homem de Feira. Ele sempre foi muito conhecido aqui, chegava e ajudava todo mundo. Jogava pelada com qualquer um, mesmo profissional.

E como foi sua morte?
Ele estava desempregado, eu trabalhava sozinha. Liguei para muito time pedindo ajuda, mas não consegui falar com ninguém. Ainda bem que não sofreu muito.