icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
09/07/2014
12:23

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, falou que está entusiasmado com o Brasil e que o desenvolvimento da Copa do Mundo é encorajador.

– Estou muito confiante do que ocorrerá durante os Jogos do Rio. O que vimos nestes dias na Copa do Mundo é muito encorajador e demonstra que teremos uns Jogos magníficos no Rio. Acho que o entusiasmo brasileiro fará com que o Rio seja um anfitrião maravilhoso para os atletas e os participantes – disse, em entrevista coletiva, o presidente da entidade.

Quando perguntado sobre a possibilidade de haver uma rejeição dos Jogos Olímpicos após a fatídica derrotada do Brasil para a Alemanha na semifinal do mundial de futebol, ele disse que os brasileiros são muito otimistas e sabem que depois de cada derrota, há uma nova vitória à sua espera.

Em abril, o vice-presidente do COI, John Coates descreveu os preparativos do Rio de Janeiro como "a pior coisa que eu já experimentei" em 40 anos de envolvimento com os Jogos Olímpicos. Porém, de acordo com Bach, a visão agora é diferente.

– Sente-se um grande entusiasmo e um grande dinamismo por parte do comitê organizador, do prefeito e do governador do Rio de Janeiro. A cidade fez enormes progressos desde a última reunião do Comitê. Houve grandes progressos a respeito das sedes, também com relação ao laboratório antidoping em geral, a última avaliação foi muito encorajadora – complementou.

Mas, por mais que o sentimento de otimismo tenha tomado conta da Comitê Organizador, eles preferem ainda manter cautela. Segundo o presidente, vão manter vigilância porque não há mais tempo a perder e ainda existem alguns pontos que precisam de uma maior agilidade.

– É necessário que as instalações estejam prontas para os eventos teste, alguns deles previstos para este ano. É a principal preocupação que temos atualmente – destacou

Thomas Bach viaja, nesta quarta-feira, para o Rio de Janeiro e vai se encontrar com o Comitê Organizador, e, na sexta, vai encontrar a presidente Dilma Rousseff.