icons.title signature.placeholder Carlos Alberto Vieira, Igor Siqueira e Thiago Correia
09/07/2014
15:26

Foi a goleada mais vexatória da história da Seleção Brasileira. Foi uma eliminação vergonhosa em casa. Um time perdido, que assistiu aos alemães massacrarem com força a seleção anfitriã da Copa do Mundo. Ninguém marcou, ninguém criou, mas para a comissão técnica do Brasil, o problema foi só os seis minutos de "apagão" contra a Alemanha. E ai de quem contestar. Felipão, Parreira e Murtosa responderam até com ironia a argumentação da imprensa sobre a falta de inspiração da Seleção Brasileira na Copa do Mundo.

- Não tem justificativa nenhuma. Conseguimos chegar à semifinal. Treinamos o mesmo para a Copa das Confederações em menos dias - disse Felipão.

- Estávamos tão mal ainda conseguimos chegar à semifinal... - ironizou Parreira, seguido de Murtosa:

- Os capazes foram embora...

E MAIS:
> Comissão técnica rebate críticas com ironia: "Chegamos à semifinal"
> Mesmo após surra para a Alemanha, Felipão exalta trabalho na Seleção

L!TV:
> De 1 a 7! Argentinos não perdoam e criam zoeiras contra o Brasil
> Torcedores criticam escalação e atuação da Seleção contra a Alemanha 
> Sem poder ver ou ouvir, brasileiro acompanha Seleção de jeito diferente
> Torcedora envia carta a Felipão e agrada Parreira
> L! elege quem se salva após vexame da Seleção
> Felipão ataca cartola:'O único título de SC quem deu fui eu' 
> Zico critica Seleção e compara postura da equipe a filme
> Por parceiros do Barça, Neymar vira Argentina na final da Copa
> Para Neymar, empresário errou feio com críticas à Felipão
> Neymar ataca mania brasileira e defende trabalho de Felipão

Depois da resposta atravessada, Felipão prosseguiu, falando sobre os minutos de pânico no Mineirão.

- Se pudesse responder com consciência o que houve nos seis minutos, eu responderia, mas eu também não sei. Eu não tenho como justificar, não acho que os meus jogadores podem ter dificuldade em assimilar, e esse erro foi fatal. Poderíamos ter perdido por um ou dois, mas perdemos como nunca havíamos perdido, é histórico. Mas a partir de agora será o que? Não será nada. Esses jogadores voltarão a trabalhar para a Seleção, na medida que forem crescendo, com o tempo que os jogos vão dar, não só nos clubes, como Seleção, e pelo menos 70% vão estar em 2018, vão estar aqui - afirmou o técnico da Seleção.

O treinador ainda explicou a decisão de tentar maquiar a escalação do Brasil no último treino antes de jogar contra a Alemanha.

- Não me arrependo, são 28 jogos que treinei. Dos 28, o Bernard estava em 24, e jogou em 17, 16. Entrou e saiu jogando. Ele sabia como iria jogar, sabia de antemão. Agora, se nós usamos a imprensa, peço desculpa. Vocês não usam nunca - completou.