icons.title signature.placeholder Marcello Vieira
30/03/2014
11:40

Depois das cenas de violência registradas nos últimos dois confrontos entre Fluminense e Vasco, o Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe) irá reforçar o efetivo de policiais nas áreas próximas à entrada do Fluminense, pela Rua Eurico Rabelo, mesmo lugar em que aconteceram as outras confusões.

Ao LANCE!Net, o comandante do Gepe, João Fiorentini, garantiu a segurança dos torcedores que forem ao jogo e disse que os baderneiros, se aparecerem novamente, serão punidos com a prisão.

– Os torcedores podem ir tranquilos ao jogo. Tomaremos todas as medidas necessárias e quem causar qualquer confusão novamente será preso – prometeu.

COM A PALAVRA - Mauricio Murad - sociólogo e membro da Academia LANCE!

A brincadeira é saudável e faz parte da cultura do esporte. O problema do que tem acontecido nos jogos entre Fluminense e Vasco é muito mais do que uma brincadeira. A Força Jovem e a Young Flu estão inseridas num contexto não de adversárias, mas de inimigas. O que torna tudo ainda mais grave é que tanto a Young quanto a Força estão proibidas de frequentar o estádio. É uma prova de que a proibição não resolve.

Fizemos uma pesquisa recente que mostra que 90% das mortes em jogos de futebol ocorrem no lado de fora do estádio. Não adianta proibir e criminalizar torcidas. O que tem de ser feito é a polícia ocupar as redes sociais, onde brigas são marcadas, criar um disque-denúncia de torcidas organizadas e punir com prisão, processos, enfim, levar os casos até as últimas consequências.

Estive nos dois últimos jogos entre Flu e Vasco, vi a porrada comer solta dos dois lados e pouquíssimo policiamento. Não se vê prisões e quando elas ocorrem os infratores rapidamente voltam às ruas.

Existe outra pesquisa que mostra que os torcedores não confiam na polícia. Sabem que não vai resolver o problema. Isso é o que de mais grave pode ocorrer. A polícia precisa cumprir com o papel que a sociedade espera dela.

Vários fatores fazem o torcedor deixar de ir ao estádio. A questão do horário dos jogos, o preço alto dos ingressos, a concorrência com a TV, a falta de um transporte de qualidade, o nível técnico fraco de alguns jogos, mas a principal queixa registrada em pesquisas é que o principal fator que tira torcedor e famílias dos estádios é a violência.

O último Flu e Vasco foi um bom jogo. Foi empolgante e havia apenas dez mil pessoas no Maracanã. Não estou falando de um jogo como é Flamengo x Cabofriense, que tem um time pequeno envolvido, mas de um clássico. É inadmissível que isso ocorra.