icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
15/11/2014
09:03

O técnico Mano Menezes ainda luta contra o rótulo de retranqueiro dado por parte da torcida do Corinthians. Diante do Bahia, neste domingo, às 17h, na Fonte Nova, pelo Brasileirão, o treinador prevê um jogo aberto, apesar das limitações do adversário. Mais do que isso, o comandante alvinegro promete um Timão ofensivo na busca pela vitória fora de casa.

– Sabemos que mesmo que se tenha toda a intenção do mundo de vencer, será um jogo difícil como sempre foi jogar lá, como tem sido para os últimos adversários jogar em Salvador contra o Bahia. Para nós não vai ser diferente. Não podemos abrir mão de lutar o tempo inteiro. Trabalhamos as alternativas. Se precisar ser mais ofensivo pra buscar essa vitória, sem dúvida é fundamental – comentou Mano Menezes.

A tendência é o treinador iniciar a partir com Petros, Renato Augusto, Malcom e Luciano à frente. Caso precise de um time mais imponente, a única opção (testada, inclusive, nos treinos dessa semana) é tirar um jogador de meio de campo para dar lugar ao jovem atacante Tocantins, recém-promovido da base.

– Existe possibilidade mais simples que é Luciano no lugar de Guerrero e manter a estrutura da equipe. Aí um jogador com características diferentes desempenha função de último homem. outra possibilidade é compensar a ausência de um jogador mais de área com um jogar a mais na frente. É o que trabalhei durante a semana – explicou o técnico.

Ao longo de todo o primeiro semestre (e parte do segundo), Mano Menezes insistiu com a diretoria alvinegra sobre a necessidade de contratar mais atacantes para o plantel alvinegro. O clube até tentou, mas fracassou nas tentativas de Marcelo (Atlético-PR), Rafael Sóbis (Fluminense) e Nilmar (Internacional).

Para o duelo deste domingo, o treinador somente poderá relacionar três atletas para a posição: Malcom, Luciano e Tocantins. Guerrero e Ángel Romero, outros atacante do elenco, estão defendendo as seleções peruana e paraguaia, respectivamente.

– O time que tenho é esse, não tenha dúvida. Sou um técnico que trabalha com a direção deixando as coisas muito claras. Sempre abordei todas as questões e probabilidades, os problemas que poderiam nos causar em momentos decisivos. Agora não é hora de falar nisso, é hora de dar confiança para os jogadores que vão entrar em campo e tenho confiança neles. Vamos para Salvador com uma formação de ataque diferente, mas com uma equipe capaz de vencer o Bahia – acrescentou o comandante.