icons.title signature.placeholder Fellipe Lucena
19/04/2014
08:07

Gilson Kleina estará satisfeito se chegar à parada da Copa do Mundo com 60% de aproveitamento nas nove partidas iniciais do Brasileirão - 16 dos 27 pontos que estarão em disputa. O índice fica longe dos 67% que o campeão Cruzeiro registrou em todo o torneio do ano passado, mas tem explicação: só dois jogos "em casa".

É assim que o técnico encara a primeira etapa da competição, que começa para o Verdão neste, fora, às 18h30, contra o Criciúma. Serão cinco jogos como visitante (também pega Flamengo, Vitória, Chapecoense e Grêmio) e quatro como mandante, mas só dois no Pacaembu (Fluminense e Goiás). O estádio será usado para treinos na Copa e ficará sob os cuidados da Fifa já em maio. Por isso, o confronto com o Figueirense, dia 22, será na Arena Fonte Luminosa, em Araraquara, enquanto o duelo com o Botafogo, dia 28, foi marcado para o Prudentão, em Presidente Prudente.

- Nós vamos fazer sete jogos fora do Pacaembu. Para fazer 60% dos pontos você tem que ser muito competente. Com 60% você se mantém próximo à zona da Libertadores e da liderança - disse Kleina, ao LANCE!Net.

O início do torneio - que o Palmeiras não vence desde 1994 - é encarado com extrema prioridade no clube depois de 17 dias de preparação. Primeiros passos ruins podem custar caro, e o exemplo é recente: em 2012, o time de Felipão fez só seis pontos nas nove primeiras rodadas e não conseguiu se recuperar. Acabou caindo.

Kleina também usa a Série B de 2013 como parâmetro. Embora não tenha feito campanha brilhante nos seis jogos antes da pausa para a Copa das Confederações (estava em terceiro), não deixou os líderes se distanciarem e depois embalou.

- Me lembro que a Chapecoense estava liderando. A hora em que paramos e entendemos a característica da competição, deslanchamos. Nós sempre vamos querer a vitória, mas pontuar fora é importantíssimo, desde que você faça o dever de casa - acrescentou o comandante.