icons.title signature.placeholder Alexandre Braz e Walace Borges
31/12/2013
07:01

Não é segredo para ninguém que o Botafogo busca um atacante para vestir a camisa 9. Desde a saída de Loco Abreu, o clube tem sofrido para encontrar um centroavante renomado, que, enfim, possa solucionar os problemas do ataque. E para superar esta carência, a diretoria, que tem sofrido com os altos preços pedidos pelos atacantes brasileiros procurados, viu surgir nos últimos dias um nome que se encaixa nas possibilidades financeiras e no perfil de jogador procurado. Trata-se de Maxi López, de 29 anos, que atua pelo Catania (ITA).

O atacante foi oferecido à diretoria do Glorioso por não querer mais permanecer na Itália. E apesar de jogar na Europa, o salário dele não seria considerado alto para os padrões brasileiros. De acordo com a imprensa italiana, Maxi López recebe cerca de 100 mil euros (R$ 320 mil) por mês. A diretoria alvinegra gostou do nome de Maxi López e ficou de analisar a viabilidade da contratação do atacante.

Revelado pelo River Plate, Maxi jogou no Brasil em 2009, quando fez 16 gols pelo Grêmio no Brasileirão. Pelo time gaúcho ele jogou com o também argentino Herrera, ex-jogador do Botafogo e seu amigo. Além disso, jogou pelo Barcelona (ESP), Mallorca, Sampdoria e Milan (ITA), pelo qual atuou com Seedorf.

Em contato telefônico com o LANCE!Net, Maxi disse que ainda não recebeu proposta oficial do Glorioso, mas não descartou um retorno ao futebol brasileiro:

– Conheço o Botafogo, mas por enquanto não chegou nada para nós, então não posso falar sobre hipóteses. Mas fui muito bem recebido aí quando joguei pelo Grêmio. Consideraria, sim, voltar a jogar no Brasil.