icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci
15/06/2014
13:08

Foi inaugurado na manhã deste domingo, em Santos, o Museu Pelé, espaço de 4.134 m² que conta a vida e carreira do Rei do Futebol e possui 2545 itens do maior jogador de futebol de todos os tempos. Ainda há área interativas, exposições temporárias e até um auditório com capacidade para 90 pessoas.

Dezenas de políticos e autoridades estiveram no evento de abertura. A presença da presidente Dilma foi cancelada no último sábado - segundo assessoria, por compromissos diplomáticos - e o vice Michel Temer veio em seu lugar. Mesmo assim, a chefe do executivo nacional gravou uma mensagem em vídeo que foi exibido logo no início da cerimônia.

Os discursos de Temer, Paulo Alexandre Barbosa, prefeito de Santos, e Geraldo Alckimin, governador de São Paulo, tomaram a maior parte do cerimonial. Pelé, que chegou ao local em um bonde, se pronunciou rapidamente e quase uma hora depois do início do evento.

- É como a maioria dos brasileiros diz: a pessoa em vida às vezes é criticada, contestada. Aí, depois que morre, dizem: "Era tão bom, né? Uma pessoa maravilhosa...". Então agradeço por estar recebendo essa homenagem em vida - disse o Rei, que afirmou que não se estenderia muito para não se emocionar.

Ídolos do passado do Santos, como Clodoaldo, Pepe, Edu, Dorval, Lima e Manoel Maria marcaram presença na abertura do museu. Eles subiram ao palco e saudaram o Rei, que também foi abraçado por Gabigol, atacante do Peixe, e outros jovens das categorias de base do clube.

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, a ministra da Cultura, Marta Suplicy, e o ex-governador de São Paulo, José Serra, foram outros políticos que estiveram na cerimônia.

Com apoio financeiro do BNDS e instituições privadas, o Museu Pelé - que começou a ser construído em 2008 - custou cerca de R$ 50 milhões, sendo parte do processo de revitalização do bairro do Valongo. As entradas para o local custam R$ 18 (R$ 9 a meia), e a visitação é permitida de terça a domingo, das 9h às 18h.