icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
24/07/2013
23:49

A vantagem do Crac de jogar por um empate sem gols durou apenas oito minutos. O Santos abriu o placar logo no início do primeiro tempo com o zagueiro Gustavo Henrique, que aproveitou cobrança de falta de Galhardo, e jogou toda a responsabilidade de reverter o marcador para o time goiano, que não reagiu e ainda levou o segundo, de Léo Cittadini.

A vitória por 2 a 0 na noite desta quarta-feira, no Estádio Genervino da Fonseca, na cidade de Catalão, em Goiás, classificou o Santos para as oitavas de final da Copa do Brasil. A partida de ida havia terminado empatada por 1 a 1 na Vila Belmiro. 

O resultado colocou ponto final em uma possível polêmica de que o Santos entregaria a partida para jogar a Copa Sul-Americana, teoricamente mais fraca e que, assim como o torneio nacional, dá uma vaga ao campeão na próxima Copa Libertadores. Com o triunfo, o Peixe chega a seis partidas de invencibilidade (quatro vitórias e dois empates) - ainda não perdeu após a volta da folga da Copa das Confederações. 

O JOGO

Em seu acanhado estádio, o Crac pouco conseguiu criar no primeiro tempo. Apenas dois lances assutaram o goleiro Aranha, que viu o volante Alison afastar de cabeça a bola que iria para fora e seu travessão balançar após chute de longe de Willian Amendoim.

O Santos, que poupou quatro titulares mais experientes (Edu Dracena, Léo, Cícero e Montillo) e teve a estreia do chileno Mena na lateral esquerda, também não levou perigo no ataque depois do gol de Gustavo Henrique. Outra mudança na equipe mista do técnico Claudinei Oliveira foi a entrada de Giva no lugar de Willian José.

Um dos lances que mais chamou a atenção durante a etapa inicial aconteceu fora das quatro linhas. Aos 31 minutos, Leandrinho trombou com o adversário e caiu no muro debaixo do alambrado. Um torcedor do Crac enfiou a mão pela grade e puxou o cabelo do jogador, que olhou para a torcida com cara feia.

No segundo tempo, a partida continuou sem grandes lances de brilho. As equipes trocavam passes no meio campo do gramado ruim e pouco criavam jogadas de ataque.

Aos 21 minutos, o Santos teve duas oportunidades de gol, ambas de cabeça após cruzamentos de Galhardo. Na primeira, Gustavo Henrique parou no goleiro Alex, que também salvou na segunda, de Durval.

O torcedor santista deve ter relembrado do jogo contra o Coritiba, domingo passado, quando o Peixe desperdiçou chances e acabou sendo castigado no final com o gol de empate. No entanto, aos 21 minutos, Léo Cittadini praticamente sacramentou a classificação alvinegra: o meia aproveitou de cabeça após boa jogada de Willian José, que finalizou em cima de Alex.

Com o 2 a 0 no placar, o time goiano não mostrou forças para reagir. O Santos, por sua vez, passou apenas a administrar o resultado à espera do apito final.

Na "Bombonera do Serrado", como o Genervino da Fonseca é chamado pelos torcedores do Crac em referência ao estádio do Boca Juniors, o Peixe pouco sofreu com a pressão. A torcida do time da casa, apesar de exibir uma faixa escrita "La 12", em alusão à organizada do clube argentino, fez pouco barulho nem ao menos lotou o pequeno estádio. 

O Peixe agora vê um cenário completamente diferente pela frente. O time volta as atenções para o Brasileirão e enfrenta a Ponte Preta, no sábado, no Moisés Lucarelli, em Campinas. Depois, viaja para a Espanha a fim de disputar amistoso diante do Barcelona, dia 2 de agosto, no Camp Nou.

CRAC-GO 0 X 2 SANTOS

Local: Genervino da Fonseca, em Catalão (GO)
Data e Hora: 24 de julho de 2013, às 21h50
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Auxiliares: Lincoln Ribeiro Taques (MT) e Fabio Rodrigo Rubinho (MT)

Renda/Público: Não divulgado
Cartões Amarelos: Diogo Medeiros (CRA) e Gustavo Henrique (SAN)
Cartões Vermelhos: Não houve
GOLS: Gustavo Henrique, 8'/1ºT (1-0) e Léo Cittadini, 29'/2ºT (2-0)

SANTOS: Aranha; Galhardo, Gustavo Henrique, Durval e Mena; Alison (Lucas Otávio 25'/2ºT), Alan Santos, Pedro Castro (Léo Cittadini 22'/2ºT) e Leandrinho; Neilton e Giva (Willian José 25'/2ºT). Técnico: Claudinei Oliveira

CRAC: Aleks; Rodnei, Bruno Alves, Ben Hur e Rodrigo Crasso; Coquinho, Washington, Didi (Jonathan 8'/2ºT) e Diogo Medeiros; William Amendoim (Marcelo 30'/2ºT) e Danilo. Técnico: Marcelo Rocha.


A vantagem do Crac de jogar por um empate sem gols durou apenas oito minutos. O Santos abriu o placar logo no início do primeiro tempo com o zagueiro Gustavo Henrique, que aproveitou cobrança de falta de Galhardo, e jogou toda a responsabilidade de reverter o marcador para o time goiano, que não reagiu e ainda levou o segundo, de Léo Cittadini.

A vitória por 2 a 0 na noite desta quarta-feira, no Estádio Genervino da Fonseca, na cidade de Catalão, em Goiás, classificou o Santos para as oitavas de final da Copa do Brasil. A partida de ida havia terminado empatada por 1 a 1 na Vila Belmiro. 

O resultado colocou ponto final em uma possível polêmica de que o Santos entregaria a partida para jogar a Copa Sul-Americana, teoricamente mais fraca e que, assim como o torneio nacional, dá uma vaga ao campeão na próxima Copa Libertadores. Com o triunfo, o Peixe chega a seis partidas de invencibilidade (quatro vitórias e dois empates) - ainda não perdeu após a volta da folga da Copa das Confederações. 

O JOGO

Em seu acanhado estádio, o Crac pouco conseguiu criar no primeiro tempo. Apenas dois lances assutaram o goleiro Aranha, que viu o volante Alison afastar de cabeça a bola que iria para fora e seu travessão balançar após chute de longe de Willian Amendoim.

O Santos, que poupou quatro titulares mais experientes (Edu Dracena, Léo, Cícero e Montillo) e teve a estreia do chileno Mena na lateral esquerda, também não levou perigo no ataque depois do gol de Gustavo Henrique. Outra mudança na equipe mista do técnico Claudinei Oliveira foi a entrada de Giva no lugar de Willian José.

Um dos lances que mais chamou a atenção durante a etapa inicial aconteceu fora das quatro linhas. Aos 31 minutos, Leandrinho trombou com o adversário e caiu no muro debaixo do alambrado. Um torcedor do Crac enfiou a mão pela grade e puxou o cabelo do jogador, que olhou para a torcida com cara feia.

No segundo tempo, a partida continuou sem grandes lances de brilho. As equipes trocavam passes no meio campo do gramado ruim e pouco criavam jogadas de ataque.

Aos 21 minutos, o Santos teve duas oportunidades de gol, ambas de cabeça após cruzamentos de Galhardo. Na primeira, Gustavo Henrique parou no goleiro Alex, que também salvou na segunda, de Durval.

O torcedor santista deve ter relembrado do jogo contra o Coritiba, domingo passado, quando o Peixe desperdiçou chances e acabou sendo castigado no final com o gol de empate. No entanto, aos 21 minutos, Léo Cittadini praticamente sacramentou a classificação alvinegra: o meia aproveitou de cabeça após boa jogada de Willian José, que finalizou em cima de Alex.

Com o 2 a 0 no placar, o time goiano não mostrou forças para reagir. O Santos, por sua vez, passou apenas a administrar o resultado à espera do apito final.

Na "Bombonera do Serrado", como o Genervino da Fonseca é chamado pelos torcedores do Crac em referência ao estádio do Boca Juniors, o Peixe pouco sofreu com a pressão. A torcida do time da casa, apesar de exibir uma faixa escrita "La 12", em alusão à organizada do clube argentino, fez pouco barulho nem ao menos lotou o pequeno estádio. 

O Peixe agora vê um cenário completamente diferente pela frente. O time volta as atenções para o Brasileirão e enfrenta a Ponte Preta, no sábado, no Moisés Lucarelli, em Campinas. Depois, viaja para a Espanha a fim de disputar amistoso diante do Barcelona, dia 2 de agosto, no Camp Nou.

CRAC-GO 0 X 2 SANTOS

Local: Genervino da Fonseca, em Catalão (GO)
Data e Hora: 24 de julho de 2013, às 21h50
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Auxiliares: Lincoln Ribeiro Taques (MT) e Fabio Rodrigo Rubinho (MT)

Renda/Público: Não divulgado
Cartões Amarelos: Diogo Medeiros (CRA) e Gustavo Henrique (SAN)
Cartões Vermelhos: Não houve
GOLS: Gustavo Henrique, 8'/1ºT (1-0) e Léo Cittadini, 29'/2ºT (2-0)

SANTOS: Aranha; Galhardo, Gustavo Henrique, Durval e Mena; Alison (Lucas Otávio 25'/2ºT), Alan Santos, Pedro Castro (Léo Cittadini 22'/2ºT) e Leandrinho; Neilton e Giva (Willian José 25'/2ºT). Técnico: Claudinei Oliveira

CRAC: Aleks; Rodnei, Bruno Alves, Ben Hur e Rodrigo Crasso; Coquinho, Washington, Didi (Jonathan 8'/2ºT) e Diogo Medeiros; William Amendoim (Marcelo 30'/2ºT) e Danilo. Técnico: Marcelo Rocha.