icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/11/2013
07:00

Paulo Nobre assumiu a presidência do Palmeiras em janeiro disposto a reestruturar o clube, que ainda chorava a queda para a Série B. Com o mandato quase na metade, ele tem um título da Série B, várias "sementes" plantadas e um ano decisivo pela frente: o do centenário.

A nova diretoria conseguiu melhorar o ambiente na Academia fazendo marcação cerrada ao vazamento de informações e mantendo os salários em dia. A profissionalização, palavra tão repetida na campanha, começou pelas categorias de base e pelo marketing, setores que serão mais cobrados no ano que vem.

Por outro lado, o presidente emprestou dinheiro ao clube, o que não pretendia fazer. Outro carro-chefe da campanha que acabou "esquecido" foi a busca por um manager, profissional que receberia apenas para cuidar do futebol. Em alguns momentos, o diretor-executivo José Carlos Brunoro exerceu a função, como na venda de Barcos e a renovação de Kleina, negociações contestadas internamente.

Clicando no banner abaixo, você acessa o LANCE!Digital e confere uma análise detalhada das promessas de campanha de Nobre. O que deu certo, o que não deu e quais são os desafios para o importante ano de 2014.