icons.title signature.placeholder Walace Borges
10/03/2014
12:01

A torcida do Flamengo, tão conhecida por lotar os estádios no Rio de Janeiro, tem ficado cada vez mais longe do time em 2014. Prova disso é que, devido aos altos preços dos ingressos estipulados pela diretoria rubro-negra, Hernane e companhia levaram menos público ao Maracanã neste ano do que ao Engenhão no ano passado, quando os bilhetes eram mais baratos.

Somando os públicos dos cinco jogos que o Flamengo fez no Engenhão, no ano passado, 66.662 pessoas viram o Rubro-Negro jogar. Em 2014, com os cinco jogos feitos no Maracanã, pelo Carioca, o número cai para 61.687 pessoas. O maior público para esta temporada foi na derrota por 3 a 0 para o Fluminense, com 18.109 torcedores no estádio.

Entretanto, analisando apenas o dinheiro ganhado pelo Rubro-Negro, o saldo é positivo. Em 2013 foram R$ 2.046.950 nos cinco jogos disputados no Engenhão. Já neste ano, nas cinco primeiras partidas no Maracanã, a renda total é de R$ 2.784.524. Os números mostram que mesmo com estádios vazios, o Flamengo ganhou mais dinheiro.

FLA PODE LEVAR QUASE R$ 6 MILHÕES DO CARIOCA

Aumentando consideravelmente a renda durante a temporada, o Flamengo ganhou um belo adicional às financas com a conquista da Taça Guanabara. Com o título, o Rubro-Negro recebeu um prêmio de R$ 1 milhão. Curiosamente, no ano passado, o Botafogo ganhou apenas R$ 800 mil pela conquista do Campeonato Carioca após ter vencido Taça Guanabara e Taça Rio.

Além deste dinheiro, o Flamengo ganha mais R$ 200 mil por ter se classificado para as semifinais. Chegando à final, garante mais R$ 1 milhão e se for campeão carioca recebe mais R$ 3,5 milhões. Desta maneira, no fim da competição, o Rubro-Negro pode ter arrecadado R$ 5,7 milhões.

- Acabamos de perder R$ 2 milhões que a Federação tirou da nossa cota de TV apesar de nossa relutância. A gente explica para os jogadores que, quanto mais o clube arrecadar com conquistas, melhor será para eles também. Todos estão cientes - afirmou recentemente o vice de futebol, Wallim Vasconcellos, à ESPN Brasil.