icons.title signature.placeholder Gabriel Matturo
09/03/2014
18:06




Wágner e Walter marcaram os gols do Fluminense no empate diante do Duque de Caxias (Foto: Paulo Sérgio/LANCEPRESS

O Fluminense entrou em campo na tarde deste domingo com um time recheado de reservas. Somente Diego Cavalieri, Elivélton, Bruno e Jean são considerados titulares, ou seja, costumam começar os jogos no onze inicial de Renato Gaúcho. O empate em 2 a 2 diante do Duque de Caxias não era o desejado. Wágner e Walter marcaram para o Fluminense, enquanto Alex Terra e Juninho fizeram para o Tricolor da Baixada.

Se o resultado não ajudou o Fluminense, pelo menos ver dois jogadores que não são considerados titulares marcando gols serve como uma boa dor de cabeça para Renato Gaúcho. No total, o Tricolor marcou 27 gols no Carioca e 14 foram feitos por jogadores que não marcam presença no onze inicial do treinador, caso de Wágner e Walter.

O resultado colocou o Fluminense na terceira colocação com 27 pontos e deixou o Duque de Caxias na penúltima posição, com 9 pontos e dentro da zona de rebaixamento do estadual.

MAIS
> Jovem meia do Flu lamenta empate diante do Duque de Caxias
> Chiquinho lamenta oportunidades despediçadas pelo Flu

SONECA: A ORQUESTRA DO MAESTRO WÁGNER

O Fluminense pagou caro por ter começado a partida diante do Duque de Caxias, literalmente, dormindo. Nos 15 primeiros minutos de jogo, a única equipe que conseguia jogar e colocar um pingo de emoção na partida foi a do Tricolor da Baixada. Tanto é que não teve muito trabalho para abrir o placar, aos 10, quando Alex Terra cabeçou sozinho dentro da área do Flu.

A sonolenta e desfalcada orquestra do Fluminense começou a afinar quando o maestro Wágner entrou em ação. O camisa 10 contou com a ajuda de Walter, que tocou de peito para que Wagner empatasse o jogo. Porém, o feitiço virou contra o feiticeiro e Walter, que havia ajudado no empate, acabou comentendo a falta que originou o segundo gol do Duque de Caxias. Um golaço, na verdade. Uma cobrança de falta que Juninho jamais esquecerá.

Wágner ainda tentou reger a orquestra sonolenta do Fluminense, colocou bola na trave, deu passes, procurou jogo, mas a afinação dos seus músicos não estavam num bom tom. Com isso, o primeiro tempo acabou com pressão do Flu, mas com resultado positivo para o Duque de Caxias.

BRILHA A ESTRELA DO ARTILHEIRO WALTER

A segunda etapa começou de uma maneira um tanto inusitada. Logo aos 6 minutos, o goleiro do Duque de Caxias, Andrade, demorou para cobrar o tiro de meta, discutiu com o árbitro e foi expulso da partida. Tudo que o Fluminense queria e precisava para não perder o jogo.

Pouco inspirado, o Tricolor não precisou se esforçar muito para empatar o jogo e o empate passou pelos pés de um menino que havia "sumido" na temporada tricolor. Higor passou a pré-temporada do Flu recebendo elogios diários da comissão técnica, porém ainda não tinha entrado em campo neste ano. O menino entrou, deu um carrinho para recuperar a bola e colocou na cabeça de Walter. Sozinho, o camisa 18 empatou o jogo, chegou ao seu quinto tento no Carioca e se isolou na artilharia da equipe das Laranjeiras.

FICHA TÉCNICA
FLUMINENSE 2X2 DUQUE DE CAXIAS

Local: Raulino de Oliveira, Volta Redonda (RJ)
Data-Hora: 9/3/2014 - 16h (de Brasília)
Árbitro: Pathrice Wallace Corrêa Maia (RJ)
Auxiliares: Luis Claudio Regazone (RJ) e Michael Correia (RJ)
Renda e público: R$ 19,475,00 / 976 pagantes e 1.453 presente
Cartões amarelos: Elivélton, Walter e Leandro Euzébio (FLU); Sampson, Washigton, Andrade e Lenon (DUQ)
Cartões vermelhos: Andrade (DUQ)
Gols: Alex Terra 10'/1ºT (0-1); Wágner, 18'/1ºT (1-1); Juninho, 20'/1ºT (1-2); Walter, 26'/2ºT (2-2)

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Bruno, Elivelton, Leandro Euzebio e Ailton (Chiquinho, intervalo); Willian (Higor, 15'/2ºT), Jean e Wágner; Biro Biro, Marcos Júnior (Michael, 25'/2ºT) e Walter - Técnico: Renato Gaúcho

DUQUE DE CAXIAS: Andrade, Rodolpho, Guti, Emerson e Rodrigues; Lenon, Juninho, Sampson e Gleisson (Raphael Mello, 8'/2ºT); Alex Terra (Alan Pires, 32'/2ºT) e Washinton (Neves, 18'/2ºT) - Técnico: Sérgio Farias