icons.title signature.placeholder Bruno Braz e Guilherme Abrahão
icons.title signature.placeholder Bruno Braz e Guilherme Abrahão
18/07/2013
20:57

O objetivo do Vasco de deixar 90% dos ingressos para o Fluminense e ficar com 10% para o jogo deste domingo com o intuito de fazer o mesmo, ao seu favor, na partida de volta, no dia 9 de outubro, foi por água abaixo. No fim da tarde desta quarta-feira, seis mil bilhetes foram comercializados para os vascaínos, o que ultrapassou a cota de 10% que o clube deveria ter nos moldes que ele propôs (os tricolores compraram 19 mil ingressos).

Mesmo sem ter o desejo atendido, o Vasco, com esta postura, mostra que pode estar se articulando para o segundo turno do Campeonato Brasileiro, quando será o mandante. O clube deverá sediar a partida em São Januário ou em Brasília, local em que disputou o clássico contra o Flamengo no último domingo e obteve uma renda de pouco mais de R$ 1 milhão.

LEIA MAIS:
> Bagunça marca início das vendas e retirada de ingressos no Maracanã
> Reunião libera bumbos, bandeiras e torcedores sem camisa no Maracanã
> Vascaínos compram ingressos em São Januário e se preocupam com troca
> Após briga com Flu, Dinamite dispara: 'Como torcedor, não iria ao clássico'
> Situação das cadeiras cativas para o clássico entre Flu e Vasco está definida
> Secretário de Esporte é contra inversão de torcidas, mas respeita Fluminense
> Para PM, inversão de torcidas no Maracanã para o clássico foi o melhor
> Eurico convoca torcida a comprar ingressos para lado direito do Maraca
> Após racha, Ferj abre caminho para Vasco mandar clássico na Colina

Presidente do Conselho de Beneméritos do Vasco, o ex-presidente do clube Eurico Miranda resolveu se meter na polêmica e, em nota oficial, sugeriu que vascaínos comprassem ingressos do lado tricolor em forma de protesto por não poderem mais entrar pela rampa da Uerj, local que era destinado aos cruz-maltinos há 63 anos.

Em meio às polêmicas, as vendas para o clássico seguem nesta sexta-feira e neste sábado.

O objetivo do Vasco de deixar 90% dos ingressos para o Fluminense e ficar com 10% para o jogo deste domingo com o intuito de fazer o mesmo, ao seu favor, na partida de volta, no dia 9 de outubro, foi por água abaixo. No fim da tarde desta quarta-feira, seis mil bilhetes foram comercializados para os vascaínos, o que ultrapassou a cota de 10% que o clube deveria ter nos moldes que ele propôs (os tricolores compraram 19 mil ingressos).

Mesmo sem ter o desejo atendido, o Vasco, com esta postura, mostra que pode estar se articulando para o segundo turno do Campeonato Brasileiro, quando será o mandante. O clube deverá sediar a partida em São Januário ou em Brasília, local em que disputou o clássico contra o Flamengo no último domingo e obteve uma renda de pouco mais de R$ 1 milhão.

LEIA MAIS:
> Bagunça marca início das vendas e retirada de ingressos no Maracanã
> Reunião libera bumbos, bandeiras e torcedores sem camisa no Maracanã
> Vascaínos compram ingressos em São Januário e se preocupam com troca
> Após briga com Flu, Dinamite dispara: 'Como torcedor, não iria ao clássico'
> Situação das cadeiras cativas para o clássico entre Flu e Vasco está definida
> Secretário de Esporte é contra inversão de torcidas, mas respeita Fluminense
> Para PM, inversão de torcidas no Maracanã para o clássico foi o melhor
> Eurico convoca torcida a comprar ingressos para lado direito do Maraca
> Após racha, Ferj abre caminho para Vasco mandar clássico na Colina

Presidente do Conselho de Beneméritos do Vasco, o ex-presidente do clube Eurico Miranda resolveu se meter na polêmica e, em nota oficial, sugeriu que vascaínos comprassem ingressos do lado tricolor em forma de protesto por não poderem mais entrar pela rampa da Uerj, local que era destinado aos cruz-maltinos há 63 anos.

Em meio às polêmicas, as vendas para o clássico seguem nesta sexta-feira e neste sábado.