icons.title signature.placeholder Marcio Porto
05/12/2013
07:05

O São Paulo vai em busca de um lateral-esquerdo para a temporada 2014 e o nome de Fabrício, do Internacional, encabeça a lista de possibilidades. O jogador é um desejo antigo do clube, que cogitou sua vinda em novembro do ano passado, mas não conseguiu transformar o interesse em negócio.

Na época, o Tricolor buscava um jogador para fazer concorrência a Cortez, titular da posição. Agora, o interesse novamente tem relação com o lateral cabeludo, que acabou de ser dispensado do Benfica (POR), mas de maneira diferente.

Nos planos de Muricy Ramalho para 2014, o clube não iria precisar contratar outro lateral-esquerdo, já que acabou de renovar com Reinaldo e iria receber Cortez de volta. No entanto, o presidente Juvenal Juvêncio descartou o retorno do lateral e disse que vai emprestá-lo.

A divergência fez Fabrício voltar à pauta. O jogador começou no futebol nas categorias de base do São Paulo, época em que teve contato com o coordenador técnico Milton Cruz, hoje entusiasta de seu futebol.

Com 26 anos, Fabrício tem sido titular do Inter e ainda tem contrato longo, pois renovou seu vínculo em outubro deste ano. Ele disputa posição com Kleber, mas o experiente lateral só tem contrato até o fim deste ano e não deve permanecer.

São fatores que podem dificultar a negociação, ainda mais porque o jogador despertou interesse do exterior recentemente, mas, por outro lado, o Inter deve passar por uma reformulação para o ano que vem. A equipe fracassou na atual temporada e ainda corre risco de rebaixamento no Campeonato Brasileiro – joga por um empate na despedida contra a Ponte Preta, em casa, domingo.

Fabrício não é o único jogador do Inter em que o São Paulo está de olho. O atacante Gilberto, que disputa o Brasileiro pela Portuguesa, também interessa, mas tem situação diferente. Seu contrato com o Colorado se encerra no meio do ano que vem, portanto, não há necessidade de grande investimento, sobretudo porque o Tricolor terá apenas o Paulistão no primeiro semestre.

A diretoria do São Paulo evita comentar sobre negociações para não atrapalhar as conversas.