icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
08/07/2013
07:46

O técnico Cuca entrou em campo com uma camisa especialmente para a torcida do Atlético: 'Yes, We C.A.M". Não era por acaso os dizeres em inglês que faz referência com a campanha de 2008 do presidente Obama. O CAM, de Clube Atlético Mineiro, pegou o lugar do can, verbo que quer dizer 'fazer, conseguir'. E a torcida respondeu bem.

A vitória por 3 a 2 diante do Criciúma enche o grupo de confiança. Tudo bem que a partida contra o Tigre foi realizada por jogadores que, em sua maioria, não irão atuar contra o Newell's, mas o bom ambiente no clube continuará até a decisão da semi da Liberta. Cuca explicou que está tranquilo e que irá trabalhar bem nesses dias, tudo para reverter o placar de 2 a 0.

– A camisa diz tudo, "sim, nós podemos, agora em cima disso, tem que fazer o "sim, nós queremos", "sim,  nós conseguimos", "sim, nós nos dedicamos, como corpo e alma". É faze uma partida bem jogada, como a maioria das partidas que jogamos assim. Na quarta-feira, lá pela  meia-noite, saberemos se continuamos na competição ou não — disse Cuca.

A Massa foi pouco ao Independência e resguardou sua voz para o duelo diante dos argentinos na quarta. É preciso trabalhar bem um time para um desafio para lá de complicado. O ataque, neste caso, será o fiel da balança do Galo.

– Estou tanquilo, dois dias para trabalhar parte tática e outras coisas. O Newell's veio para cima, os meninos que jogam na frente, tem que dar uma mão atás, não tivemos força de saída com eles, mas não por planejamento, mas por ser uma coisa automática. Aqui não, eles estarão mais soltos para jogar. Faremos tudo certinho para quarta – completou o treinador do Galo.

Cuca recebeu uma carta de incentivo de um torcedor do Atlético-MG antes do jogo. Ele preferiu resguardar o conteúdo, de forma até descontraída, e lerá o envelope junto com a família, que veio para Belo Horizonte ficar ao lado do treinador em um de seus maiores desafios na carreira.

Time misto do Atlético-MG vence o Criciúma

O técnico Cuca entrou em campo com uma camisa especialmente para a torcida do Atlético: 'Yes, We C.A.M". Não era por acaso os dizeres em inglês que faz referência com a campanha de 2008 do presidente Obama. O CAM, de Clube Atlético Mineiro, pegou o lugar do can, verbo que quer dizer 'fazer, conseguir'. E a torcida respondeu bem.

A vitória por 3 a 2 diante do Criciúma enche o grupo de confiança. Tudo bem que a partida contra o Tigre foi realizada por jogadores que, em sua maioria, não irão atuar contra o Newell's, mas o bom ambiente no clube continuará até a decisão da semi da Liberta. Cuca explicou que está tranquilo e que irá trabalhar bem nesses dias, tudo para reverter o placar de 2 a 0.

– A camisa diz tudo, "sim, nós podemos, agora em cima disso, tem que fazer o "sim, nós queremos", "sim,  nós conseguimos", "sim, nós nos dedicamos, como corpo e alma". É faze uma partida bem jogada, como a maioria das partidas que jogamos assim. Na quarta-feira, lá pela  meia-noite, saberemos se continuamos na competição ou não — disse Cuca.

A Massa foi pouco ao Independência e resguardou sua voz para o duelo diante dos argentinos na quarta. É preciso trabalhar bem um time para um desafio para lá de complicado. O ataque, neste caso, será o fiel da balança do Galo.

– Estou tanquilo, dois dias para trabalhar parte tática e outras coisas. O Newell's veio para cima, os meninos que jogam na frente, tem que dar uma mão atás, não tivemos força de saída com eles, mas não por planejamento, mas por ser uma coisa automática. Aqui não, eles estarão mais soltos para jogar. Faremos tudo certinho para quarta – completou o treinador do Galo.

Cuca recebeu uma carta de incentivo de um torcedor do Atlético-MG antes do jogo. Ele preferiu resguardar o conteúdo, de forma até descontraída, e lerá o envelope junto com a família, que veio para Belo Horizonte ficar ao lado do treinador em um de seus maiores desafios na carreira.

Time misto do Atlético-MG vence o Criciúma